Agroband

Exportações de genética avícola têm alta de 10,9% em maio

Neste ano, segmento já acumula alta de 2,2% e o principal destino é o México

Exportações de genética avícola têm alta de 10,9% em maio
Canva/ Direitos Adquiridos

A Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) informou, nesta terça-feira (18), que as exportações brasileiras de genética avícola, incluindo pintos de um dia e ovos férteis, totalizaram 2,650 mil toneladas em maio, um desempenho 10,9% superior ao total obtido no mesmo período do ano passado, com 2,389 mil toneladas. No mesmo período, as vendas de genética avícola geraram receita de US$ 18,934 milhões, saldo 10,6% menor em relação ao mesmo período de 2023, com US$ 21,185 milhões.

Neste ano, as exportações de genética avícola entre janeiro e maio alcançaram 12,855 mil toneladas, número 2,2% superior ao registrado nos cinco primeiros meses de 2023, com 12,577 mil toneladas. A receita obtida no período chegou a US$ 98,587 milhões, número 12,8% inferior ao mesmo período do ano passado, US$ 113,053. 

Principal destino das exportações de genética avícola, o México importou 4,750 mil toneladas entre janeiro e maio, número 40,6% menor que o total registrado no mesmo período do ano anterior. Em contrapartida, a África do Sul - que recentemente iniciou as suas importações do produto brasileiro - importou no mesmo período 2,955 mil toneladas, e já se posiciona como segundo principal destino. Em terceiro lugar está o Senegal, com 2,157 mil toneladas, número 54,9% superior ao registrado no mesmo período do ano passado.

“Temos uma reconfiguração no fluxo de genética avícola do Brasil, que agora encontra nas nações da África o seu principal destino internacional. O status sanitário do Brasil tem sido um ponto crucial para a continuidade do bom desempenho das vendas deste segmento de alto valor agregado, especialmente para mercados que vêm sofrendo os impactos da Influenza Aviária”, analisa o presidente da ABPA, Ricardo Santin.

Mais notícias

Carregar mais