Agroband

Inseto de meio centímetro provoca prejuízo de R$ 8 bilhões em canaviais

Broca da cana é a pior praga dos canaviais brasileiros, mas pode ser controlada; veja como

Inseto de meio centímetro provoca prejuízo de R$ 8 bilhões em canaviais
Divulgação/CTC

Um inseto que mede menos de meio centímetro, mesmo na fase adulta, causa prejuízos de R$ 8 bilhões por ano em canaviais brasileiros. Agora, um estudo realizado pela professora Márcia Mutton, da Unesp (Universidade Estadual Paulista, campus de Jaboticabal), em parceria com o Centro de Tecnologia Canavieira (CTC), trouxe novos dados sobre o impacto da broca da cana-de-açúcar na produção de cana, de etanol e de açúcar.

De acordo com Mutton, a cada 1% de infestação de broca ocorre uma redução da ordem de 0,96 a 2,06% no rendimento de etanol por hectare e de 0,43 a 1,97% na produção de açúcar por hectare, em função da variedade avaliada.

Presente em todas as regiões canavieiras do Brasil, a broca da cana-de-açúcar (Diatraea saccharalis) causa perdas estimadas em R$ 8 bilhões por ano, considerando danos nas lavouras e no processo industrial.

"Os resultados do estudo confirmam os elevados prejuízos que essa praga causa no processamento industrial e que poderiam ser evitados se o setor conseguisse colher um canavial com menor nível de danos”, diz a professora da Unesp.

Segundo informações da empresa de pesquisa agrícola Kynetec, o esforço do setor no controle desta praga mais que dobrou ao longo dos últimos anos, devido ao aumento da área tratada e pelo maior número de aplicações de pesticidas, que subiu de 1,2 aplicações para 1,9 aplicações em média.

A Intensidade de Infestação Final da Broca – índice que mede a infestação residual da praga nos canaviais após o seu controle químico e/ou biológico – permanece quase inalterada, de acordo com as informações do Benchmarking CTC. Isto demonstra a baixa eficiência dos métodos tradicionais de controle, que dependem, entre outros fatores, das condições climáticas ideais e do momento correto da aplicação, para terem um funcionamento satisfatório.

“O controle da praga com o uso de variedades geneticamente modificadas é superior a 95%, o que representa um grande diferencial em relação aos métodos de controle convencionais, entregando uma cana livre de broca”, diz Luiz Antonio Dias Paes, diretor comercial do CTC.

Segundo ele, com as variedades transgênicas, as usina têm maior rendimento de etanol e maior produtividade de açúcar no processo industrial, uma vez que reduz a concentração de cinzas, amidos e compostos fenólicos totais, aumentando a qualidade do açúcar produzido (baixas colorações Cor ICUMSA).

Mais notícias

Carregar mais