Agroband

Onda de frio reduz focos de incêndios no Pantanal

O número de queimadas registradas em junho deste ano foi seis vezes maior que o de 2005, até então, o maior junho de fogo já registrado

Onda de frio reduz focos de incêndios no Pantanal
Joédson Alves/Agência Brasil

O avanço da massa de ar frio pelo interior do Brasil também trouxe chuvas e quedas nas temperaturas para a região do Pantanal em Mato Grosso do Sul e está ajudando os brigadistas a combater as queimadas. O número d e focos de incêndio no bioma diminuiu nos últimos dias.

De acordo com dados de monitoramento por satélite do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, o Pantanal registrou 1 foco de calor na terça-feira (5) e nenhum foco no domingo (8). Nos primeiros quatro dias do mês, o bioma registrou mais de 400 focos. 

Em junho, os satélites usados pelo Inpe no monitoramento do bioma registraram 2639 focos de calor no Pantanal. O número equivale a 1700% a média histórica de queimadas no sexto do mês do ano, que foi 154 entre os anos de 1998 e 2023. O recorde de junho, que até o ano passado era de 435 focos de calor, em 2005, foi superado em seis vezes em junho deste ano. O número de focos de calor em junho de 2024 ficou 34 vezes acima de junho de 2023, que terminou com somente 77 focos de calor.

Somente em Mato Grosso do Sul, o Pantanal registrou 2737 focos de calor, o que representa dez vezes a média histórica mensal de queimadas em junho de 1998 a 2023 de 278. Antes, o pior junho de fogo tinha sido em 2005 com 557 focos, logo cinco vezes menos que em 2024.
 

Mais notícias

Carregar mais