Band Multi

Campinas projeta redução de casos de dengue após pico de transmissão em abril

Cidade segue em situação de emergência, com 84.553 casos confirmados e 23 mortes pela doença neste ano

Da Redação

A Secretaria de Saúde de Campinas (SP) projeta redução dos casos de dengue a partir deste mês, após ter registrado pico de transmissão da doença entre 7 e 13 de abril. Todavia, a cidade segue em situação de emergência – com 84.553 casos confirmados e 23 mortes pela doença neste ano. 

“Historicamente, a partir de maio, o número de casos diminui drasticamente, muito atrelado ao clima mais frio, que diminui a atividade e reprodução do mosquito transmissor. Por isso, há expectativa para o resfriamento mais intenso do clima, que colabora para a redução de casos”, avaliou o coordenador do Programa de Arboviroses, Fausto Marinho Neto.

A epidemia de dengue é nacional e, neste ano, dois fatores contribuíram para aumento de casos em Campinas: a circulação simultânea de três sorotipos do vírus pela primeira vez na história, e condições climáticas favoráveis para a proliferação do mosquito, principalmente por conta das sucessivas ondas de calor registradas desde outubro.

O coordenador lembrou que a melhor forma de prevenção contra a dengue é eliminar qualquer acúmulo de água que possa servir de criadouro, principalmente em latas, pneus, pratos de plantas, lajes e calhas. É importante, ainda, vedar a caixa d'água e manter fechados vasos sanitários inutilizados.

A prefeitura orienta que os cuidados permaneçam no outono e inverno. Um método simples de prevenção é separar 10 minutos por semana para verificar se não há nenhum espaço com água parada que possa servir de criadouro na sua casa ou comércio. 

Não menospreze os sintomas 

Em nota, a pasta orienta que a pessoa que tiver febre deve procurar um centro de saúde imediatamente para diagnóstico clínico. Portanto, a Saúde faz um apelo para que a população não banalize os sintomas e também não realize automedicação, o que pode comprometer a avaliação médica, tratamento e recuperação.

Já quem estiver com suspeita de dengue ou doença confirmada e apresentar sinais de tontura, dor abdominal muito forte, vômitos repetidos, suor frio ou sangramentos deve buscar o quanto antes por auxílio em pronto-socorro ou em UPA.

“A gravidade por dengue, ela se dá, principalmente, na fase que a gente considera crítica, quando a pessoa deixa de ter febre. Diferente de outras viroses, que quando melhora a febre, a gente vê que está tendo resolução, na dengue isso não acontece”, alertou a diretora do Departamento de Vigilância em Saúde (Devisa), Andrea Von Zuben.

A especialista orienta que, neste momento, as pessoas devem estar muito atentas se elas melhoraram ou se elas começaram a ter algumas alterações: como muitos vômitos e alguns sinais de sangramento. Outro sinal de alerta é a sensação de desmaio e indisposição. 

"Essas pessoas têm que voltar imediatamente para a assistência médica para fazer hidratação, muitas vezes, na veia. Uma outra questão que faz a pessoa ter um desfecho favorável é conseguir beber a quantidade de líquido prescrita, que são 60 ml por quilo de peso, sendo um terço em sais de hidratação oral", completa Andrea Von Zuben.

Tópicos relacionados