Band Multi - Campinas e Região

Manifestantes vão às ruas de Campinas contra PL que equipara aborto a homicídio

Ato foi marcado após a Câmara dos Deputados aprovar urgência para a votação do texto

Manifestantes vão às ruas de Campinas contra PL que equipara aborto a homicídio
Arquivo pessoal

Manifestantes se reúnem nesta sexta-feira (14), no Centro de Campinas (SP), em um protesto contra o Projeto de Lei (PL), que equipara o aborto a homicídio e proíbe a interrupção da gestação após 22 semanas, mesmo em casos previstos por Lei, como estupro.

A concentração do ato nomeado como “Criança Não é Mãe”, organizado por movimentos sociais e feministas da cidade, aconteceu no Largo do Rosário. Lá, manifestantes destacam críticas ao PL, que é visto como inconstitucional e um risco à vida de meninas pelo Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (Conanda).

O projeto prevê penas de seis a 20 anos de reclusão às mulheres que abortaram após 22 semanas de gestação. A punição é maior do que a prevista para quem comete crime de estupro de vulnerável (de oito a 15 anos de reclusão). 

Atualmente, a legislação brasileira não prevê um limite máximo para interromper a gravidez de forma legal. O aborto legal é permitido para crianças, adolescentes e mulheres vítimas de estupro; em caso de risco à vida da gestante e anecafalia fetal (quando o feto não tem formação do cérebro). 

Na noite de quarta-feira (12), a Câmara dos Deputados aprovou urgência para a votação do PL 1 904/2024, ou seja, o texto pode ser votado diretamente no plenário sem passar por discussão nas comissões. O projeto foi assinado por 32 deputados federais (veja quais) .

Risco à vida de meninas 

A ministra das Mulheres, Cida Gonçalves, lembra que “as principais vítimas de estupro no Brasil são meninas menores de 14 anos, abusadas por seus familiares, como pais, avôs e tios. São essas meninas que mais precisam do serviço do aborto legal, e as que menos têm acesso a esse direito garantido desde 1940 pela legislação brasileira". 

Em média, 38 meninas de até 14 anos vítimas de abuso se tornam mães a cada dia no Brasil. Em 2022, último período disponível nos relatórios do Sistema Único de Saúde (SUS), foram mais de 14 mil gestações entre meninas com idade até 14 anos. 

Tópicos relacionados