Band Vale

One Piece gera grande expectativa com os fãs pelo episódio 1000

Conversamos com os criadores do canal ‘Chapéus de Palha’ sobre esse importante marco para o animê

Eddy Venino - Equipe BANDx 19/11/2021 • 19:37
Divulgação
Divulgação
Toei Animation

Se você nunca ouviu falar de One Piece, provavelmente está há muito tempo longe de animações - ou nunca se interessou mesmo. Porque o mangá criado por Eiichiro Oda é um dos maiores sucessos exportados do Japão e que hoje tem fãs no mundo inteiro. O mangá começou a ser publicado em 1997 e sua adaptação para animê veio dois anos depois, em 1999. Desde então, One Piece tem conquistado cada vez mais o coração daqueles que desejam navegar junto aos ‘Chapéus de Palha’.

One Piece acompanha a história da tripulação de piratas comandada pelo capitão Monkey D. Luffy, que navegam pelos muitos mares e nações em busca do One Piece do título, que é um grande tesouro deixado pelo Rei dos Piratas, antes de sua execução pela Marinha.

A obra de Oda é publicada até hoje e o anime também. Com diversas sagas, onde podemos nos emocionar e vibrar com as histórias de Luffy, Nami, Sanji, Usopp, Chopper e outros diversos personagens cativantes, dramáticos e engraçados, One Piece traz várias discussões, desde relações afetivas a corrupção e batalha de classes.

No Brasil é possível assistir o anime através da Netflix, que contém 4 temporadas, totalizando 130 episódios. Mas o ponto aqui é que o anime alcançará a importante marca de 1000 episódios, como já publicamos aqui no BANDx. E a Crunchyroll, plataforma de streaming dedicada a animes, fará a exibição do episódio mil simultaneamente com o Japão. A plataforma é a única no Brasil a ter todos os episódios lançados até o momento e irá celebrar esse marco junto aos fãs brasileiros. A exibição será no sábado (20) às 23hs e contará com legendas em português brasileiro. E você pode testar o Crunchyroll gratuitamente para aquecer para o episódio mil de One Piece e ver outros tantos títulos que só estão na plataforma.

E para celebrar esse marco, eu conversei com os criadores do canal no Youtube, Chapéu de Palha, o maior sobre One Piece do Brasil. Com conteúdos que vão de resenhas semanais dos episódios a análises de personagens e sagas. Derek e Felipe, fundaram o canal em 2015 para compartilhar sua paixão por One Piece com outros fãs e hoje se dedicam inteiramente ao canal. Derek Galvão Fiani tem 25 anos e é formado em direito pela PUC-Rio e Felipe Sieira Castro tem 27 anos e é formado em publicidade e propaganda. Os dois são amigos desde a adolescência e montaram o canal para conversar com outros fãs de One Piece. Com o tempo o canal foi crescendo até o ponto em que resolveram se dedicar inteiramente a ele como sua principal atividade. 

Conversamos - claro - sobre One Piece, o que o animê agregou a vida deles e a expectativa para esse marco importante que é o milésimo episódio.

Eddy Venino: Quando aconteceu seu primeiro contato com One Piece?

Felipe Sieira Castro: Eu cometi o pecado que muita gente comete ao iniciar One Piece, que é olhar o traço e pensar “isso é fora do padrão do anime”. Mas em conversas com um amigo nosso, o César, estávamos planejando assistir um anime longo, porque já assistíamos Naruto. Daí começamos One Piece, por recomendação de outro amigo, o Pietro. E logo no começo esse estereótipo que eu havia criado sobre o traço foi quebrado e me envolvi de coração e desde então virou minha obra favorita.

Derek Galvão Fiani: Eu era um adolescente levemente insuportável (risos), porque eu gostava de zoar o pessoal que curtia Naruto e animes em geral. Mas fui amadurecendo na adolescência e conheci o Felipe e o César que gostavam de animes e mudaram a minha perspectiva sobre isso. Então percebi que era um mundo incrível, comecei a assistir Naruto e quando me apresentaram One Piece, me apaixonei completamente.

(Imagem: Felipe e Derek/Acervo Pessoal)

¨

Eddy: Quando surgiu a ideia do canal?

Felipe: Foi uma sementinha que foi regada durante muito tempo. Mas entre faculdade e trabalho as coisas demoram pra acontecer.

Derek: Foi uma ideia conjunta para a qual a gente sempre voltava. E queríamos muito gravar um vídeo sobre nossas conversas sobre One Piece.

Felipe: Conversamos horas sobre cada um dos capítulos e nos perguntávamos como não conseguimos transformar aquilo em material. E como nosso círculo social não tinha muitas pessoas que curtiam animê, queríamos conversas com outras pessoas que também curtissem. E o momento foi no Gear Fourth, quando o Luffy iria enfrentar o melhor vilão da série. Se não fosse ali, não ia mais. Então iniciamos o canal.

Eddy: Vocês têm o canal desde 2015 e ele já conta com mais de 326 mil pessoas inscritas. Quais foram os maiores desafios para manter o canal até hoje?

Felipe: Houveram diversos perrengues, quando o canal não era nossa principal fonte de renda. Por causa da faculdade e trabalho, que consumiam muito tempo, muitas vezes era difícil gravar. Mas nesses seis anos de canal nós nunca deixamos de fazer ao menos o review semanal sobre o episódio que havia passado. Porque, embora fosse cansativo, era muito gratificante.

Derek: One Piece nos escolheu, não fomos nós que escolhemos One Piece. Porque é uma obra que fala tão profundamente com a gente que mesmo com momentos ruins, não conseguimos olhar pro canal e falar que aquilo não era uma prioridade para nós. As coisas que a gente ama aparecem na nossa vida, querendo ou não. E One Piece se manifestou no nosso canal e na nossa amizade dessa maneira. E de um ano pra cá resolvemos profissionalizar o canal e a resposta do público foi super positiva. E hoje nos dedicamos inteiramente a ele.

Felipe: E para tomar essa decisão - de se dedicar somente ao canal - foi uma virada na minha vida. Eu estava trabalhando na Espanha, num trabalho que pagava super bem, mas eu estava infeliz. Pedi conta e vim passar um mês no Brasil. Eu fui me encontrar com o Derek no meu último dia no país. Foi quando tivemos nossa conversa decisiva sobre o canal. E ao ver a determinação do Derek de abraçar a ideia de se dedicar 100% ao canal, parecia até um episódio de animê, faltou tocar a trilha sonora de fundo (risos).

Derek: E nos encontramos apenas nesse dia porque eu estava voltando de um curso que fiz no exterior, para me qualificar e seguir meus sonhos dentro do direito. Eu guardei grana por um ano e meio para realizar isso. Mas quando o Felipe veio com a proposta, eu sabia que se não tentasse, iria me arrepender pelo resto da minha vida. Porque eu sabia que éramos capazes. E deu certo!

Eddy: Sobre o que é One Piece e qual mensagem mais importante que ele pode ensinar?

Derek: One Piece consegue transformar assuntos pesados e sombrios em algo que tanto uma criança quanto um adulto consiga olhar e se apaixonar. É uma das obras infantojuvenis didáticas mais fantásticas já feitas envelopada magicamente por um nível de entretenimento absurdo.

Felipe: Quando você pensa em cada um dos Chapéus de Palha, você tem exemplos segmentados sobre do que One Piece se trata. A história do Chopper nos ensina que a intolerância é só o medo do diferente e que essa intolerância acaba nos impedindo de socializar de uma maneira melhor; com o passado da Robin entendemos que é possível lidar com a solidão; o Sanji pode nos ensinar sobre confiança por mais que sua vida tem sido cruel com você; o Zoro tem uma determinação tão afiada quanto as espadas dele; com o Jinbe vemos como o preconceito, a discriminação e o racismo criam cicatrizes séculares na sociedade; o passado da Nami nos ensina o verdadeiro significado da plavra valor, que eles não está nas riquezas e sim nas suas relações de amizade; e o Luffy nos ensina a levar a vida de maneira mais leve, mais tranquila.

Eddy: Sobre o que não é One Piece? Quais interpretações vocês acham que a galera viaja ou entendeu errado?

Felipe: Algumas pessoas não dão tempo para One Piece mostrar o quanto é uma obra rica de significado. Com isso acabam tirando conclusões precipitadas sobre alguns personagens, acham que não há evolução deles por apresentarem características que muitas vezes são intrínsecas a sua personalidade. Como o Usopp teve seus momentos de covardia, sendo que diversas vezes ele superou isso para ajudar seus amigos. E acharem a Nami gananciosa, quando ela já provou que trocaria todo ouro do mundo pelos amigos.

Derek: One Piece não é só seu! Acho que isso é a primeira coisa que a pessoa tem que entender. Porque às vezes a pessoa tem uma relação tão pessoal com a obra, que elas acreditam que a interpretação delas é a interpretação correta. E o Oda, deixa lacunas justamente por causa disso, para essas múltiplas interpretações. Claro que você pode ter sua interpretação, mas One Piece é algo tão aberto de propósito que consegue conversar com pessoas de diferentes países e culturas e gerar esse amor tão grande pela obra.

Eddy: Qual a expectativa de vocês para o episódio 1000?

Derek: Gostamos muito desses marcos porque eles demonstram a magnitude de One Piece. Eles acabam gerando muito hype entre fãs e acabam atraindo mais pessoas para assistir One Piece. Então a expectativa tá lá em cima, quanto mais One Piece melhor

Felipe: Quanto mais pessoas assistirem One Piece, melhor o mundo vai ser (risos). One Piece nos ajudou na adolescência, na formação de caráter. Com a chegada do episódio mil, novos fãs irão começar a assistir One Piece e poderão ter a mesma experiência que nós tivemos. Será muito positivo pra quem começar a assistir, não espere o episódio 2000 (risos).

Eddy: Mil episódios é muita coisa e por si só é um mérito fantástico. Mas como convencer alguém a despender tanto tempo assistindo um anime?

Derek: Cara, olha só, você reclamar que One Piece é muito grande é a mesma coisa de você reclamar que te deram 20 toneladas do seu chocolate favorito. Você pode não saber ainda que é seu chocolate favorito, mas ele é. E o fato de ter 20 toneladas de One Piece ao invés de só uma barrinha, isso faz toda diferença. Então, se você quer ser feliz, só assiste One Piece, não reclama do tamanho e agradece (risos).

Felipe: Pergunta pra qualquer pessoa que alcançou o episódio semanal de One Piece se ela se sente aliviada ou se ela queria mais mil capítulos? É claro que a resposta vai ser que ela queria mais episódios, mais infinitas horas de One Piece. Vale demais ver One Piece, porque vai ter muita coisa boa nessa jornada.

Eddy: Para finalizar qual o personagem favorito e porquê?

Derek: Meu personagem preferido é o Luffy. Porque eu consigo sentir tudo o que o Luffy sente, mas eu não vou conseguir ser nada perto do que ele é. Eu acho esse personagem mágico, porque ele não tem paralelo com uma pessoa real, mas é um modelo ideal de como algumas pessoas gostariam de ser. Ele trata a vida de maneira simples, honesta e divertida.

Felipe: Pra mim é o Sanji. A construção do personagem é brilhante e o passado dele sempre me tocou demais. Ver a mudança dele de um garoto birrento pra um cara que está sempre disposto a ajudar e alimentar os outros. Ele tem uma convicção muito poderosa e uma sensibilidade, que vai além de um chutão forte na cara.

[ twitter @eddyvenino ]