Band Vale

Caso Marco Aurélio: Polícia inicia escavações em busca do escoteiro desaparecido há 36 anos

Trabalhos começaram nesta quinta-feira (29) em uma casa, onde há suspeita que ele tenha sido enterrado

Redação Band Vale 29/07/2021 • 12:24 - Atualizado em 29/07/2021 • 16:52
Equipes concentradas no local da escavação no Pico dos Marins
Equipes concentradas no local da escavação no Pico dos Marins
Juliana Sever/TV Band Vale

Uma força-tarefa formada por policiais civis e funcionários públicos de Piquete iniciou nesta quinta-feira (29) as escavações em busca do corpo do escoteiro Marco Aurélio Simon, desaparecido no Pico dos Marins, em 1985, devem começar nesta quinta-feira (29). A informação é da repórter Juliana Sever.

O local da escavação é uma casa onde a polícia suspeita que ele tenha sido enterrado na época do desaparecimento, quando Marco Aurélio tinha 15 anos. A investigação foi reaberta após pedido do delegado Fábio Cabette

Uma equipe de cerca de 40 pessoas atua no local. São seis peritos, além de 30 profissionais, entre policiais civis e funcionários da prefeitura de Piquete.

A concentração teve início por volta das 8h na delegacia de Piquete. Pela distância e difícil acesso ao local, a escavação teve início apenas por volta das 12h, quando todas equipes envolvidas chegaram ao ponto.

A Polícia Civil recebeu novas provas sobre o sumiço de Marco Aurélio no início deste mês. As pistas vieram do próprio pai de Marco Aurélio, Ivo Simon. Um amigo de Ivo continuou investigando o sumiço de Marco Aurélio por conta própria e descobriu, recentemente, uma testemunha que disse ter visto uma cova remexida na mata, na época do sumiço de Marco Aurélio.

Apesar da retomada das investigações, mesmo que seja descoberto quem foi o responsável pelo desaparecimento de Marco Aurélio, o crime já prescreveu, portanto, não haverá punição.

Teoria do desaparecimento

Circularam em grupos de WhatsApp, vídeos e áudios sobre um possível desfecho do caso. A informação é de que uma mulher, no leito de morte, teria informado que Marco Aurélio foi morto por seu irmão, que tinha problemas mentais. 

O pai deles teria enterrado o corpo do menino debaixo da cama do casal, para proteger o filho. Anos depois, foi construída no local uma capela, na antiga base do Pico dos Marins. A informação, no entanto, não é confirmada pela Polícia Civil.

Caso Marco Aurélio

Marco Aurélio Simon sumiu no dia 8 de junho de 1985 durante uma visita ao Pico dos Marins com um grupo de escoteiros. Na época, o garoto tinha 15 anos. Ele estava com três amigos e o líder dos escoteiros acampando quando desapareceu. 

Ele abria caminho na mata, quando perdeu contato com os demais no grupo. Durante a trilha, os demais se perderam e só chegaram ao acampamento na madrugada seguinte. Quando chegaram, Marco não estava no local. 

Mais de 300 pessoas vasculharam o local por 28 dias em busca de alguma pista do que poderia ter acontecido. Polícia Militar, soldados, bombeiros, alpinistas, guias, voluntários, cães, especialistas em salvamento e até mesmo helicópteros e um avião da força aérea estavam envolvidos. Foram chamados sensitivos, cartomantes e videntes para ajudar na busca e nada foi encontrado.

O guia dos garotos, Juan Bernabeu foi apontado como principal suspeito, por ter deixado um garoto de 15 anos sozinho em um local que não conhecia. Juan foi interrogado e até mesmo alegaram que ele poderia ter abusado sexualmente do garoto e matado, mas nunca encontraram provas que o culpasse do desaparecimento ou qualquer pista do corpo do garoto.

  • Piquete
  • Pico dos Marins