BandNews FM

Mina da Braskem rompe sob lagoa em Maceió; área estava isolada

Ministério Público diz que vai exigir que Braskem tome previdências em caso de abertura de crateras no solo

Rádio BandNews FM

Mina 18 da Braskem sofre rompimento em Maceió
Mina 18 da Braskem sofre rompimento em Maceió
Reprodução
Topo

Parte da mina 18 da Braskem, que estava em risco de colapso, se rompeu neste domingo (10) em Maceió. Segundo a defesa civil municipal, a ruptura aconteceu por volta das 13h e foi percebida em um trecho da Lagoa Mundaú, no bairro do Mutange. A área da mina e o entorno estão isolados e, de acordo com as autoridades, não há riscos para civis.

O governador de Alagoas, Paulo Dantas, convocou uma reunião para próxima segunda-feira (11), com o prefeito de Maceió, João Henrique Caldas, para discutir o rompimento da mina. Segundo Dantas, também são esperados representantes do governo federal e outros 8 prefeitos de municípios afetados pelo afundamento.

O Ministério Público Federal anunciou que vai exigir o cumprimento das cláusulas que obrigam a Braskem a tomar providências específicas em caso de abertura de crateras no solo em Maceió.

Entre os itens do acordo com a Braskem, segundo o MPF, está a obrigatoriedade de que a companhia contrate uma empresa especializada para fazer o diagnóstico ambiental e um plano para mitigar, compensar ou reparar eventuais danos provocados pelo buraco.

O Ministério Público afirma que, em novembro, recomendou à Agência Nacional de Mineração que revisasse todos os planos de fechamento de minas, o que, de acordo com o órgão, foi acolhido pela ANM.

Segundo o boletim mais recente da defesa civil, o afundamento do solo na área chegava a dois metros e trinta e cinco centímetros, com velocidade de cerca de meio centímetro por hora. Nas vinte e quatro horas anteriores, o deslocamento havia sido de doze centímetros e meio.

Na última sexta-feira (8), o Instituto do Meio Ambiente de Alagoas suspendeu a licença da Braskem para demolição dos imóveis afetados pelo afundamento provocado pela exploração mineral da empresa. Segundo o instituto, a medida foi tomada por causa do agravamento da situação, principalmente no bairro do Mutange, onde fica a mina.

Pelo menos 14 mil edificações foram condenadas nos cinco bairros afetados pelo problema e ao menos 60 mil pessoas foram afetadas diretamente nos cinco bairros no entorno da mina. A Braskem diz que pagou mais de quatro bilhões de reais em indenizações para moradores e comerciantes e que a área onde ocorre o afundamento está desocupada desde 2020.

Tópicos relacionados