BandNews FM

Oposição reúne assinaturas para criação do CPI do MEC

Assunto ganhou força após prisão do ex-ministro Milton Ribeiro, que já foi liberado

BandNews FM 23/06/2022 • 18:47 - Atualizado em 23/06/2022 • 18:49
O requerimento é de autoria do Deputado Rogério Correia
O requerimento é de autoria do Deputado Rogério Correia
Marcelo Camargo/Agência Brasil

Segue crescendo no Congresso Nacional a pressão pela criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito para investigar as possíveis irregularidades no Ministério da Educação.  

O assunto voltou ao destaque após a prisão e soltura do ex-ministro Milton Ribeiro, dos pastores Arilton Moura e Gilmar Santos, além dos Secretários Luciano Musse e Helder Bartolomeu.  

O requerimento para criação e abertura do colegiado já tem as 27 assinaturas necessárias, mas segundo o idealizador da CPI, Senador Randolfe Rodrigues, só deve ser apresentado após ter sido garantido o apoio de 30 parlamentares.  

A criação da CPI começou a ser negociada em março, quando os escândalos vieram à tona, e na época, Milton Ribeiro foi acusado de liderar um esquema de tráfico de influência na pasta.

Na mesma época, um áudio de uma reunião do MEC revelou que o Governo Federal priorizava a liberação de recursos a prefeituras indicadas pelos dois pastores que não tinham cargo no MEC.

O Presidente do Congresso Nacional, Senador Rodrigo Pacheco, aponta que o colegiado será instalado se cumprir todos os requisitos, e que as prisões são um "fato relevante", mas que não determinam a instalação da CPI.

E o tempo é uma questão delicada, já que o recesso parlamentar começa no mês de JULHO, e na retomada das atividades, em agosto, alguns dos Senadores deverão se dedicar às campanhas eleitorais.  

E no outro lado do Legislativo a situação não é diferente, muitos dos parlamentares também vão se dedicar a eleição de outubro, mas também há um pedido de CPI do MEC em tramitação.  

O requerimento é de autoria do Deputado Rogério Correia, e das 171 assinaturas que são necessárias, 75 já foram alcançadas e não há perspectiva de novos apoios ao documento.