Economia

Desemprego ainda é problema, mas diversas áreas possuem oportunidades

As oportunidades de trabalho são bem disseminadas - crescem empregos com carteira assinada, sem carteira, conta própria - e em várias áreas: indústria, construção civil, comércio e serviços em geral, bares, restaurantes, hotéis

Juliana Rosa 30/06/2022 • 19:47 - Atualizado em 30/06/2022 • 19:47

O desemprego caiu no Brasil. Segundo o IBGE, entre março e maio o total de desempregados estava em 10,6 milhões. 

É um número alto, mas comparando com os três meses anteriores, o número de desempregados diminuiu em 1,4 milhão. 

As oportunidades de trabalho são bem disseminadas - crescem empregos com carteira assinada, sem carteira, conta própria - e em várias áreas: indústria, construção civil, comércio e serviços em geral, bares, restaurantes, hotéis.

O que contribui é principalmente a melhora da situação da pandemia, permitindo o aumento da circulação de pessoas, do trabalho presencial, do contato físico que está muito ligados à atividades que empregam muito no Brasil. 

O que preocupa é a queda da renda. A renda está em queda tanto porque tem muita gente procurando trabalho e com pouco poder de negociação, mas principalmente por causa da inflação. A inflação está muito alta e a renda não tem sido suficiente para pagar as contas. 

Outro ponto que chama atenção nos dados do IBGE é que tem muita gente ainda fora do mercado de trabalho que não voltou a procurar depois da pandemia. 

A consultoria ICA calcula que quase 3 milhões de pessoas estão fora da força de trabalho. Esse grupo é composto principalmente por idosos e mulheres. 

Segundo os analistas da consultoria, os idosos podem ter sofrido com sequelas causadas pela covid e as mulheres podem estar em casa cuidando dos filhos, com insuficiência de creches e vagas na escola, já que muita gente precisou trocar o filho de escola particular para pública. mas aos poucos a tendência segundo a consultoria é a situação aos poucos ir se normalizando.