Eleições

Bolsonaro questiona dados de pesquisa e acusa Datafolha de "canalhice"

Presidente também citou dado do levantamento segundo o qual os eleitores evangélicos estariam divididos entre ele e Lula

Da Reuters, por Maria Carolina Marcello 28/05/2022 • 12:03 - Atualizado em 29/05/2022 • 13:08
Bolsonaro questiona pesquisa Datafolha
Bolsonaro questiona pesquisa Datafolha
Reuters

O presidente Jair Bolsonaro questionou nesta sexta-feira pesquisa Datafolha que apontou uma ampliação da vantagem de seu principal adversário, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), e considerou uma "canalhice" os dados que apontaram uma divisão do eleitorado evangélico entre os dois adversários.

Na live semanal realizada pelas redes sociais, Bolsonaro também voltou a carga de ataques a ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), e acusou as medidas de combate às chamadas fake news de tentativas de levar os cidadãos a uma "prisão fora da cela".

Bolsonaro insinuou que o Datafolha estaria atuando de forma parcial.

"Será que o Datafolha está jogando, fazendo tabelinha com uma instituição por aí que diz que lá tudo é inexpugnável? O que está acontecendo?", disse o presidente, sem entrar em detalhes.

Bolsonaro também citou dado do levantamento segundo o qual os eleitores evangélicos estariam divididos entre ele e Lula. "Isso aqui não é fake news, isso é uma canalhice", disse o presidente.

Pesquisa Datafolha divulgada na quinta-feira apontou que Lula abriu 21 pontos de vantagem sobre Bolsonaro ao registrar 48% da preferência dos eleitores, ao passo em que o atual mandatário registra 27% de intenção de voto. Pelos números apresentados, o petista alcançaria vitória ainda no primeiro turno, com 54% dos votos válidos ante 30% do atual presidente.

Na espontânea, o petista também ampliou sua liderança e é o nome citado por 38%, enquanto Bolsonaro é lembrado por 22% dos entrevistados. Segundo o Datafolha, este é o melhor índice obtido pelo pré-candidato do PT desde o início da atual série histórica do instituto.

No recorte entre os evangélicos, a pesquisa demonstrou uma divisão no eleitorado: 39% responderam que irão votar no atual presidente, enquanto 36% disseram preferir Lula. A margem de erro é de 4 pontos percentuais, se levado em conta apenas o recorte evangélico, segundo o Datafolha.