Eleições

Doria vê eleição decidida no 1º turno: “Teremos um populista comandando”

Ex-governador de São Paulo, Doria anunciou que não votará em Lula nem em Bolsonaro e criticou os líderes nas pesquisas presidenciais

Da redação com Rádio Bandeirantes 01/07/2022 • 10:44 - Atualizado em 01/07/2022 • 10:50

O ex-governador João Doria (PSDB), de São Paulo, acredita que a eleição para presidente da República está perto de ser decidida já no primeiro turno. Com exclusividade, o tucano foi entrevistado no Rádio Bandeirantes na manhã desta sexta-feira (1º), ocasião em que também criticou o presidente Jair Bolsonaro (PL) e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

“Na minha análise, a eleição se aproxima muito de ser concluída no primeiro turno. Nessas circunstâncias, teremos um populista comandando o Brasil. Tivemos um populismo ao longo desses três anos e meio, um desastre. É o governo mais fracassado da história do país”, disse Doria sem citar nomes sobre quem, para ele, venceria a eleição no primeiro turno.

Vale lembrar que Lula e Bolsonaro lideram as pesquisas da corrida presidencial, respectivamente. A última pesquisa Datafolha aponta que o petista venceria no primeiro turno com 53% dos votos válidos. Doria, porém, demonstrou respeito às candidaturas da chamada “terceira via”.

“Isso [dizer que só haverá primeiro turno] não significa ser desrespeitoso nem com a candidata Simone Tebet, por quem tenho respeito e estima, nem pelo Felipe d’Avila, nem pelos demais candidatos, Ciro Gomes, demais candidatos que estão disputando a chamada terceira via”, continuou Doria.

Desistência da pré-candidatura

Recentemente, Doria passou por turbulências dentro do partido ao ser pressionado a abandonar a pré-candidatura ao Palácio do Planalto em prol do apoio do PSDB à senadora Simone Tebet (MDB), pré-candidata escolhida pelo Cidadania, MDB e tucanos como o mais viável da “terceira via”.

Doria tentou resistir, inclusive com troca de farpas entre ele e Bruno Araújo, presidente nacional do PSDB. No dia 23 de maio, o ex-governador de São Paulo desistiu da campanha, mesmo após vencer as prévias tucanas, no final do ano passado, que o escolheu para representar o partido no pleito de 2022.

Na entrevista à Rádio Bandeirantes, Doria comentou a relação que tem, hoje, com Araújo. Segundo o ex-governador, não há mágoas contra o presidente do PSDB.

“Nós [Bruno Araújo e Doria] estamos em paz. O Bruno é o presidente nacional do PSDB. Eu não guardo mágoas de ninguém. Eu sou uma pessoa altiva, leve, bom coração”, disse Doria. “Eu torço muito para que ele conduza, com muita serenidade, muito equilíbrio os destinos do PSDB no Brasil”, continuou.