Eleições

Candidatos não carregam assessores a tiracolo para debate na pandemia; repórter conta bastidores

Da redação, com Juliano Dip 02/10/2020 • 09:26 - Atualizado em 02/10/2020 • 11:06
Dos onze candidatos, apenas três já haviam participado de debates
Dos onze candidatos, apenas três já haviam participado de debates
Divulgação/Band

O repórter Juliano Dip acompanhou in loco o clima do primeiro debate à Prefeitura de São Paulo, que aconteceu na noite desta quinta-feira, 01, na sede da Band. Foi a primeira vez que os candidatos não carregaram seus assessores a tiracolo. Em virtude às medidas de segurança contra a Covid-19, não houve plateia e apenas os candidatos e o mediador Eduardo Oinegue ficaram no estúdio, respeitando o distanciamento de um metro e meio. 
 


“O debate transcorreu sem a manifestação das torcidas de assessores e correligionários, que os candidatos carregam a tiracolo. Cada um deles só pode trazer dois acompanhantes. Quem optou pela esposa contou apenas com um assessor para auxiliar nos intervalos”, disse. “Tudo foi diferente, o palco, por exemplo, ganhou oito metros a mais. Foi construído na horizontal, permitindo o distanciamento entre eles.”

Só quatro candidatos já haviam participado de debates

A temperatura foi subindo à medida que o debate avançava, atingido seu ápice quando os candidatos passaram a se enfrentar, mesmo com a inexperiência de vários deles. “Dos onze, apenas três já haviam participado de debates em outras eleições”, relatou. A inexperiência dos novatos em debates frente aos veteranos Andrea Matarazzo, Celso Russomano, Guilherme Boulos e Márcio França, porém, não afastou táticas antigas. “Não faltaram adjetivos como ‘amargo’ e ‘derrotado’”, contou Dip. “Uma das principais características do tradicional primeiro debate é dar o tom da campanha, e os onze investiram mais nos embates pessoais do que na discussão de propostas”. 
 

Dip acompanhou os candidatos Andrea Matarazzo (PSDB), Arthur do Val (Patriota), Bruno Covas (PSDB), Celso Russomano (Republicanos), Filipe Sabará (Novo), Guilherme Boulos (PSOL), Joice Hasselmann (PSL), Jilmar Tatto (PT), Márcio França (PSB), Marina Helou (Rede Sustentabilidade) e Orlando Silva (PCdoB) desde a chegada à Band, ainda no início da noite. “Eles conversaram com os jornalistas, sempre mantendo o distanciamento seguro. Todos disseram que, se eleitos, não deixarão o cargo para disputar eleições em 2022”.