Lelo, o gato leitor, ganha novo lar na companhia de antigo amigo

Depois de campanha para encontrar um tutor, o melhor aconteceu: o auxiliar de biblioteca que sempre cuidou do bichinho resolveu adotá-lo definitivamente

Meu Amigo É o Bicho!

Juliana Finardi é jornalista e é mãe de pet. Já escreveu para o UOL e jornais impressos como Agora SP, Diário do Grande ABC e outros tantos entre reportagem e edição. Ainda acredita na humanidade, mas acha que pet é melhor que muita gente

Rodrigo realizou sonho antigo de adotar o amigo felino: "Sempre foi meu maior desejo"
Rodrigo realizou sonho antigo de adotar o amigo felino: "Sempre foi meu maior desejo"
Arquivo pessoal

Uma história com final pra lá de feliz traz a atualização sobre o destino do Lelo, o gato leitor, conhecido aqui desta coluna por habitar uma biblioteca municipal de Guaxupé e estar a procura de um novo lar.

Com a mudança da casa dos livros para outro local da cidade, o gatinho ficou sem um lar e teve início uma campanha pela adoção. Embora alguns humanos tenham se candidatado a tutores, sempre aparecia algum fator que “atrapalhava” o processo: ou a pessoa tinha cachorro em casa e o Lelo tem um pouco de medo dos amigos doguinhos, ou o candidato morava muito longe de Guaxupé, ou não tinha uma casa telada, enfim, muitos empecilhos.

Até que aconteceu o que todo mundo mais torcia. O moço careca a que o Lelo se referia em suas postagens decidiu adotá-lo e levá-lo para casa definitivamente. Nada mais justo que amigos tão verdadeiros como os dois não se separassem nunca mais.

“Sempre foi o meu maior desejo. Uma das coisas que eu sempre quis fazer era o possível para adotar o Lelo, nunca saiu da minha cabeça”, disse o moço careca, que na verdade é Rodrigo Ferreira, auxiliar de biblioteca que sempre cuidou do Lelo assim como dos outros filhos felinos que já tinha em casa.

Com a decisão tomada, a casa precisava ser preparada para abrigar o novo morador. Uma parte da residência ainda tinha de ser telada e uma adaptação física garantiria a distância inicial entre os gatinhos com a chegada do novo irmão bichano.

Os gastos inesperados com as telas e as demais adaptações são tema de uma vakinha feita por Rodrigo para que os amigos e fãs humanos do Lello possam ajudar com as despesas. “Convivi com o Lelo diariamente entre 2018 e 2023, e continuei o visitando mesmo após a mudança da biblioteca, pois ele passou a fazer parte da minha família e foi muito importante para a minha saúde mental num momento bem difícil da vida”, diz o texto de Rodrigo na vakinha.

Ele pede ajuda com os custos das instalações pelos gastos que aumentaram com a adoção e também por ter outros gastos com tratamentos de saúde. Para quem quiser ajuda e contribuir com a vakinha, clique aqui.

Por enquanto, o Lelo passa por uma adaptação com os outros gatinhos da casa, mas está muito feliz por ter um lar definitivo e seguro. “Fui morar com o moço alto e careca. Sim, aquele mesmo que me dava comida, trocava minha água e escovava meu pelo. Ainda estou me acostumando a meu novo cantinho. Nele eu não preciso me preocupar com chuva e vento, pois tem vários lugares para eu me proteger e brincar de esconde-esconde. Aqui também tem outros gatos! Eles ainda não estão se aproximando muito porque sou novo aqui, e também estou aprendendo a viver com os novos vizinhos. O moço careca vive dizendo que nós somos irmãos agora”, diz o próprio gatinho na rede social mantida pelos humanos que entendem tudo de gato Lelo.

Que o Lelo, os irmãos e o moço careca tenham uma nova vida cheia de amor, alegria e muitas notícias boas. Vida longa a todos!