Masterchef

Daphne se irrita em prova do MasterChef: "Detesto trabalhar com o Eduardo"

Participantes tiveram atrito na praça das sobremesas durante a 1ª prova em uma cozinha profissional

Stefani Sousa 09/11/2021 • 23:39 - Atualizado em 12/11/2021 • 13:50
Daphne se irrita em prova do MasterChef: "Detesto trabalhar com o Eduardo"
Daphne se irrita em prova do MasterChef: "Detesto trabalhar com o Eduardo"
Carlos Reinis/Band

Os ânimos estavam exaltados na prova em grupo do MasterChef desta terça-feira (9). Pela primeira vez em uma cozinha profissional, os participantes tiveram que preparar um menu completo para os jurados, a cantora Maria Rita e o maestro João Carlos Martins.  

Tiago foi o capitão da noite e dividiu os colegas em três diferentes grupos: entrada, prato principal e sobremesa. Daphne, Eduardo e Kelyn foram selecionados para a praça dos doces, mas a execução das receitas deu o que falar...  

Durante o tempo de serviço, os cozinheiros discordaram bastante na construção da sobremesa e montagem do prato. Ao Band.com, Daphne diz que não se sentiu incluída na decisão do que seria feito, mas também não fez questão de opinar muito. Mais tarde, ela acabou se desentendendo com o colega. “Eu detesto trabalhar com o Eduardo, tenho dificuldade. Quando você faz uma pergunta, ele ignora, e pensa muito dentro da caixinha, gosta de clássicos.” 

Para a skatista, a prova em homenagem à música popular brasileira deveria ser um momento de inovação. “Eu estava muito feliz porque o discurso da Ana Paula Padrão me tocou. Era um negócio artístico, tudo o que eu gosto. Pensei que poderíamos fazer algo criativo, pirar na receita. Mas aí o Eduardo e a Kelyn decidiram fazer um bolo com sorvete. E eu fiquei ‘ok, vou fazer o que?’ Comecei a preparar um suspiro só pra não ficar ali parada”, lamentou.  

Avaliação dos chefs 

Por fim, o capitão Tiago teve que ser chamado na praça das sobremesas para resolver conflitos entre a equipe. Não deu muito certo e as desavenças refletiram no prato que, de acordo com os chefs, ficou abaixo das outras etapas do menu. “Poderia ser algo mais sofisticado. Não é uma faixa de ouro pra encerrar. Também poderia ser mais delicado. É uma sobremesa comum e sem nada excepcional. Bom e gostoso, mas não a altura dos outros pratos”, definiu Erick Jacquin.