Masterchef

Cozinheira do MasterChef faz massagem em Fogaça: "Nunca vivi emoção tão grande"

Cozinheira amadora de Minas Gerais conquistou vaga no MasterChef+ e sonha com projeto social para ensinar gastronomia a crianças

Por Stefani Sousa

Maria do Carmo, de 79 anos, conquistou os jurados do MasterChef+ com uma pera delícia. A sobremesa, cozida no caramelo e coberta com massa folhada, foi servida com chantilly e fez muito sucesso. Os chefs gostaram tanto do doce que não queriam parar de comer. Jacquin lambeu os dedos e saiu carregando as sobras.  

Mineira de Contagem, a cozinheira amadora é massagista e trabalha as emoções ligadas ao corpo. O processo terapêutico chamou a atenção de Henrique Fogaça, que pediu para que ela massageasse as mãos dele. O momento emocionou Maria: “Acho que nunca vivi uma emoção tão grande”, disse com lágrimas nos olhos. 

Quem é a Maria do Carmo, participante do MasterChef+ 2023

Há 20 anos atuando com massagem de intenção, a cozinheira amadora enxerga algo em comum entre o trabalho e a comida. “Na massagem temos a intenção de reconstruir o corpo da pessoa, energeticamente, para ela se sentir cada vez mais perto dela, sabendo o que gosta ou não", diz. Com a gastronomia é parecido, explica em entrevista ao Band.com.br: “Eu cozinho muitas coisas naturais e saudáveis. Os alimentos têm uma função, cada um tem uma energia”.

A ideia de participar do MasterChef surgiu com as filhas de Maria, que assistiram à 1ª temporada do programa e imediatamente visualizaram a mãe na cozinha. “Gosto de cozinhar quase tudo. Não tenho muito costume com frutos do mar porque Minas não tem praia, e algumas coisas regionais, mas sei fazer a comida de casa com muito prazer. Gosto de reunir as vizinhas pra tomar um chá, comer um pão”, conta.  

Se ganhar o MasterChef, a mineira quer transformar uma área que tem em casa em uma cozinha para abrir um projeto social. “Quero ensinar crianças a cozinhar a comida do dia a dia, sem desperdiçar e aproveitando o que tem [em casa].”  

Dona Maria não tem jurado favorito, mas diz ser fã dos chefs há longa data. “Acompanho o Fogaça desde que ele fazia, nas redes sociais, um programa recebendo convidados e criando um prato na hora. A Helena eu me encantei quando ela desenhou um quadro, pensei: ‘como pode ser artista desse jeito?’, e o Jacquin tem fama de bravo, mas é um doce”, analisa. Boa sorte, Maria!