Melhor da Tarde

Quais são os signos mais "puxa-sacos" do horóscopo?

André Mantovanni revela influencia dos astros nas relações interpessoais

Da Redação, com Melhor da Tarde 27/05/2021 • 17:31 - Atualizado em 27/05/2021 • 18:37

O astrólogo André Mantovanni revelou nesta quinta-feira, 27, no Melhor da Tarde, quais são os signos mais puxa-sacos. O mapa astral também influencia como cada pessoa tratará as relações pessoais e profissionais para ascender na vida. Confira:

Aquário (0%): O menos puxa-saco. Não conseguem bajular ninguém se não houver um motivo sincero. São mais distantes dos afetos e odeiam falsidade.

Gêmeos (5%): Expressam tudo com muita facilidade e mudam de opinião rapidamente e não tem vocação para paparicar ninguém. 

Virgem (10%): Falta paciência para a bajulação. São práticos, objetivos e sinceros no que sentem e pensam.  

Escorpião (20%): Só ficam puxando saco de alguém se isso lhe conferir algum domínio ou controle sobre a pessoa ou uma situação. Tudo pelo poder. 

Capricórnio (30%): No ambiente profissional podem ser muito bajuladores de pessoas importantes e influentes.

Câncer (40%): São extremamente voltados ao lar e a família e por isso vão bajular e proteger aqueles que amam sem a menor resistência. 

Sagitário (50%): Competitivos e megalomaníacos para não perder qualquer situação ou pessoa se fazem de bajuladores se for necessário. 

Áries (60%): Aqui vale tudo para cumprir seus objetivos pessoais e satisfazer sua vontade, inclusive bajular.

Leão (70%): Preferem ser adorados e bajulados, mas para garantir o lugar como centro das atenções passam por cima até do orgulho. 

Touro (80%): Muitas vezes interesseiros, se mostram bajuladores e não medem esforços para paparicar quem está a sua volta. 

Peixes (90%): Com o desejo de ser aceito e não ter que lidar com a frustração emocional bajulam e chegam até a se iludir com o que não é verdade. 

Libra (100%): O mais puxa-saco. Gostam de agradar pra ficar bem com todo mundo. Não lidam bem com exclusão por isso bajulam como podem.

  • melhor da tarde
  • andré mantovanni
  • signos