Notícias

F1, F2, F3 e W Series: Williams tem fim de semana de rara comemoração em Silverstone

Emanuel Colombari 04/07/2022 • 09:45
Imagem: Williams Racing
Imagem: Williams Racing

Os acidentes de Alexander Albon (na Fórmula 1) e Roy Nissany (na Fórmula 2) acabaram manchando o final de semana da Williams. Mas a escuderia britânica teve motivos para comemorar como há tempos não via. Não apenas na F1, mas principalmente nas categorias de formação.

No Grande Prêmio da Inglaterra de Fórmula 1, os pilotos titulares da equipe tiveram desempenhos bem diferentes. Alexander Albon estreava uma versão atualizada do FW44, mas acabou eliminado ainda no Q1 do sábado. Para piorar, largando da 16ª posição, o tailandês acabou se envolvendo indiretamente no acidente protagonizado por Guanyu Zhou (Alfa Romeo) e George Russell (Mercedes), indo parar no hospital. Felizmente, tudo certo com o piloto, que recebeu alta já no domingo (3).

Leia também:

Em compensação, Nicholas Latifi teve um fim de semana para chamar de seu. No sábado, foi pela primeira vez ao Q3, garantindo o 10º lugar no grid em Silverstone – o melhor desde que estreou na F1 em 2020. Na corrida, fez uma apresentação competitiva até onde pôde, mas teve que se contentar com o 12º lugar – ainda assim, seu melhor resultado no ano.

“Foi muito bom estar correndo no meio pelotão. Infelizmente, não tivemos o ritmo básico no final, além de termos que administrar o carro no final da corrida. Falta de downforce do carro em comparação com os outros, com falta de ritmo nas curvas de alta velocidade, e alguns danos no assoalho não ajudaram hoje. Fizemos uma boa luta, mas não era para ser hoje. Frustrante no final, mas no geral um fim de semana positivo”, analisou Latifi no domingo (3).

Na Fórmula 2, vitória e barbeiragem

A etapa de Silverstone da Fórmula 2 teve dois pilotos da academia da Williams como protagonistas. Mas assim como na F1, por motivos bem diferentes.

A corrida principal da categoria na Inglaterra terminou com vitória de Logan Sargeant, da Carlin, que largou da pole position pela primeira vez. Foi a primeira vitória na categoria para o norte-americano, que integra o programa da Williams desde 2021.

“Que dia para minha primeira vitória em uma corrida principal da Fórmula 2 aqui em Silverstone. É uma pista tão histórica, e minha favorita no calendário, o que torna tudo extremamente especial”, comemorou Sargeant, que agradeceu à Williams pelo apoio na temporada.

Por outro lado, Roy Nissany deu vexame. O israelense, que disputa a Fórmula 2 desde 2018 (ficou fora do grid em 2019) e integra a academia da Williams desde 2020 se envolveu em um acidente espetacular com Dennis Hauger, da Prema. O israelense da DAMS escapou da pista logo na largada da corrida principal e voltou fechando Hauger; o rival da Prema então perdeu o controle, saiu da pista e atingiu Nissany. O acidente só não foi grave porque o halo protegeu o capacete do israelense.

Na Fórmula 3, pole e pódio

Zak O’Sullivan foi um dos reforços da academia da Williams para 2022, e conquistou neste final de semana seu principal resultado no ano. Pela etapa de Silverstone Fórmula 3, largou na pole position da feature race e chegou na segunda posição, atrás apenas de Arthur Leclerc (Prema). Foi o primeiro pódio do britânico.

“Perdi uma posição bem cedo na largada para Leclerc. Consegui permanecer na zona do DRS por um bom tempo, o que foi bom. Havia muita pressão no fim com (Oliver) Bearman em terceiro, e muito perto na linha de chegada”, disse O’Sullivan, que chegou com uma vantagem de 0.051 para o compatriota da Prema.

“Agradeço demais à Carlin e à Williams pelo apoio. Nós realmente melhoramos o carro nos últimos dias e começamos o fim de semana com uma pole position, então o segundo lugar é provavelmente um dos melhores resultados que poderíamos esperar”, completou.

Na W Series, Chadwick segue inalcançável

O outro (bom) resultado dos pilotos da Williams foi o mais previsível. Pela etapa de Silverstone da W Series, a quarta da temporada 2022, Jamie Chadwick conquistou a quarta vitória. Com 100 pontos, a britânica lidera a categoria com quase o dobro de pontos da segunda colocada – Abbi Pulling, que tem 53.

“É ótimo vencer aqui, já que era um problema para mim não ter vencido uma corrida da W Series na Inglaterra antes. Estou muito feliz”, disse Chadwick, integrante do programa da Williams desde 2019 e campeã da W Series em 2019 e 2021.

“Fiquei um pouco nervosa com a chuva em um momento, mas consegui manter uma boa diferença para o pessoal que vinha disputando atrás de mim, o que foi ótimo. Eu estava ansiosa por este final de semana, já que é uma corrida que todos os pilotos britânicos querem vencer, então isso significa muito.”

Emanuel Colombari

Emanuel Colombari é jornalista com experiência em redações desde 2006, com passagens por Gazeta Esportiva, Agora São Paulo, Terra e UOL. Já cobriu kart, Fórmula 3, GT3, Dakar, Sertões, Indy, Stock Car e Fórmula 1. Aqui, compartilha um olhar diferente sobre o que rola na F-1.