Fórmula 1

É treta! Relembre brigas e confusões da história da Fórmula 1

Clima quente entre Mercedes e Red Bull relembra algumas confusões ao longo de 70 de Fórmula 1

Da Redação 25/11/2021 • 21:01

Ao longo dos mais de 70 anos de Fórmula 1, muitos causos marcaram a maior categoria do automobilismo mundial. Algumas brigas e confusões entre equipes e pilotos marcaram época e apimentaram grandes rivalidades. Relembre:

Rudolf Caracciola x Luigi Fagioli

A Fórmula 1 começou oficialmente em 1950. Mas, antes disso, a rivalidade do automobilismo dos monopostos já estava pegando fogo. Fagioli e Caracciola foram companheiros de Mercedes na década de 1930 e, em 1937, Luigi Fagioli resolveu deixar a equipe e tentou descontar sua raiva contra o ex-colega usando um martelo para rodas.

James Hunt x Jochen Mass

Apesar de serem companheiros de McLaren na década de 1970, os dois pilotos nunca se bicaram. O estopim desse mal-estar aconteceu no GP do Canadá de 1977. Hunt chegou a dar uma volta em Mass, mas os dois colidiram e o inglês teve que deixar a corrida.

Bastante irritado, Hunt saiu do carro e ficou na pista mostrando o punho para o alemão a cada passagem dele pelo trecho da batida. Além disso, Hunt chegou a agredir um fiscal e acabou multado. O fato deixou o clima na equipe muito tenso até o fim da temporada da Fórmula 1.

Gilles Villeneuve x Didier Pironi

Essa rivalidade interna foi curta e bastante trágica. Os companheiros de Ferrari não haviam se confrontado até o GP de San Marino de 1982, quando tudo mudou.

Durante a prova, a equipe havia pedido para os pilotos manterem suas posições, mas, na reta final da corrida, Pironi acabou ultrapassando Villeneuve e terminou como vencedor, causando muito desconforto.

Duas semanas depois, no treino de classificação em Zolder, na Bélgica, quando tentava superar o tempo de seu companheiro para fazer a pole, Gilles Villeneuve acabou sofrendo um grave acidente e morreu horas depois no hospital.

Nelson Piquet x Eliseo Salazar

Nelson Piquet nunca foi de meias palavras ou de levar desaforo para casa. Mas nada teve a magnitude do que aconteceu em Hockenheim no dia 8 de agosto de 1982, há 37 anos, portanto: após ser tirado da corrida pelo retardatário Eliseo Salazar, o então campeão mundial perdeu as estribeiras e partiu para cima do chileno, a quem agrediu com socos e pontapés.

No momento do acidente, na 18ª volta do GP da Alemanha, Piquet liderava a corrida e tentava abrir o máximo possível dos adversários antes do pit stop programado pela Brabham para reabastecimento e troca de pneus. A irritação de Nelson foi tão grande que ele nem se preocupou com o fato de Salazar ainda estar de capacete.

Schumacher x Coulthard

Na volta 25 do Grande Prêmio da Bélgica de 1998, Schumacher chegou no companheiro de Hakkinen na McLaren, David Coulthard, para dar uma volta em cima do escocês. Com uma requisição de Jean Todt (chefe da Ferrari) feita a Ron Dennis (chefe da McLaren) nos boxes, Coulthard já sabia que o alemão se aproximava.

No entanto, Schumacher acabou cometendo um erro no procedimento da ultrapassagem e acertou o rival enquanto os dois se dirigiam à curva Pouhou. Furioso, o alemão guiou até o box da Ferrari com três rodas enquanto Coulthard, sem a asa traseira, ia logo atrás. Schumi não pensou duas vezes: entrou na garagem, atirou o volante de seu carro para fora, saiu e foi à caça de Coulthard. Ele chegou a empurrar um membro de sua equipe, e quando chegou aos boxes da McLaren foi contido pelo mecânicos entre frases para o escocês como: ‘você que me matar, p..?’

Sem conseguir chegar a David, o piloto retornou transtornado à garagem da Ferrari após perder seus 10 pontos da vitória.

Ayrton Senna x Eddie Irvine

Eddie Irvine foi chamado pela Jordan para correr em Suzuka. Na estreia, o irlandês, conhecedor profundo da pista japonesa, foi o oitavo no grid de largada e completou a corrida, disputada em parte sob chuva, num ótimo sexto lugar.

Depois da prova, Irvine foi interpelado por ninguém menos do que Ayrton Senna, que reclamou por ter sido atrapalhado por Eddie, retardatário. Irônico, o irlandês tirou do sério o tricampeão, que desferiu um soco no estreante.

Irvine seguiu na Jordan em 1994, mas continuou aprontando. Logo na primeira corrida, no Brasil, causou uma confusão envolvendo quatro pilotos. Pior para Jos Verstappen, que saiu voando, mas não se machucou. Eddie foi suspenso por três corridas.

Barrichello x Alguersuari

Piloto com mais corridas disputadas na história da Fórmula 1 (322 GPs), o brasileiro Rubens Barrichello sempre foi um dos personagens mais queridos da categoria máxima do automobilismo mundial. Entretanto, até os competidores mais simpáticos têm seu dia de fúria.

O episódio ocorreu no GP do Canadá de 2010. Naquela ocasião, o brasileiro fazia boa prova de recuperação com a Williams, mas foi atrapalhado pelo espanhol Jaime Alguersuari, da Toro Rosso. Foi o estopim para a ira de Barrichello. Ao final da prova, o brasileiro foi tirar satisfações com o espanhol, foi quando começou a confusão.

"Falei para ele assim: 'Você não me viu?'. E ele falou assim: 'Não, não te vi'. E eu: 'Agora vai ver'. E bati o capacete dele... Botei a minha mão para dentro [do capacete] e bati", confessou Barrichello de forma bem-humorada.

"E aí chegou um mecânico dele, um baixinho, falando 'para, para, para'. Eu falei: 'Cara, chama um maior, porque você não vai dar'. Eu estava tão fora que foi a única vez. E esse mecânico dá risada comigo até hoje". "Porque eu juro, foi tão natural que eu disse assim: 'Chama um maior que você não vai dar'. E aí continuei e soltei. Soltei o negócio e saí, virei as costas e fui embora".