Fórmula 1

Sergio Mauricio vê título da F1 em boas mãos e brinca: “Ainda tô me recuperando”

Narrador da Band repercute emocionante vitória de Verstappen no GP de Abu Dhabi

Da Redação, com Rádio Bandeirantes 13/12/2021 • 10:07 - Atualizado em 13/12/2021 • 10:12

Em participação no Jornal Gente, da Rádio Bandeirantes, nesta segunda-feira (13), Sergio Mauricio analisou o épico desfecho da temporada 2021 da Fórmula 1, com Max Verstappen (Red Bull) ultrapassando Lewis Hamilton (Mercedes) na última volta do Grande Prêmio de Abu Dhabi para faturar o título.

“Eu ainda estou me recuperando de tudo que aconteceu ontem (domingo) naquela corrida absolutamente fantástica. O Max liderou mais voltas ao longo da temporada do que todos os pilotos, mas nessa prova especificamente ele precisou liderar meia volta para ser campeão do mundo. São os destinos e os desígnios dos deuses da Fórmula 1, que ontem trabalharam muito. Quando achamos que a corrida estava decidida, um acidente a quatro voltas do fim mudou todo o final e todo o drama que terminou com este fantástico título do Max Verstappen”, afirmou o narrador da Band.

Para Sergio Mauricio, “não há a menor dúvida” de que o piloto holandês de 24 anos mereceu o título inédito. “Foi o melhor piloto, a melhor equipe e o melhor carro, mesmo com a Mercedes tendo vencido o Mundial de Construtores. O título está em excelentes mãos. Ele é o primeiro piloto que foi campeão mundial de kart e depois da Fórmula 1. Nenhum outro dos 33 campeões da Fórmula 1 conseguiu isso, o próprio Ayrton Senna foi duas vezes vice-campeão no kart. Depois o Verstappen ainda teve essa carreira meteórica e fantástica na Fórmula 1, chegando em 2014 e no ano seguinte já ganhando corrida”, destacou. 

Veja as reações de Sergio Mauricio durante GP de Abu Dhabi

Sergio Mauricio também comentou sobre o conturbado final do GP de Abu Dhabi e a confusão que a organização de prova, capitaneada por Michael Masi, poderia ter causado. “Eles quase prejudicaram a Red Bull porque iriam infringir um item no regulamento que se chama na linguagem popular o ‘lucky dog’, que acontece quando pilotos que estão uma volta atrás atrapalham os líderes num momento decisivo. O Masi deu uma vacilada que, se acontecesse, obrigaria o Max a ultrapassar os quatro retardatários que estavam entre ele e o Hamilton, o que tornaria a ultrapassagem do título quase impossível. Seria uma pisada de bola, mal comparando, com o VAR tomando decisão errada no futebol. Ainda bem que pensaram bem”, afirmou.

Eufórico com o 2021 da principal categoria do automobilismo, o narrador da Band já está em contagem regressiva para a temporada 2022. “Não vou desligar de Fórmula 1. Quarta-feira já tem teste de pneus e estou curioso para ver o que vai dar. Em 72 anos de Fórmula 1 tivemos a melhor temporada. Eu acompanho desde 1972, fui para trás, pesquisei, conversei com pessoas que acompanhavam, procurei nos livros e não encontrei nada igual. Pode até ter acontecido, mas não está relatado. Acho difícil repetir um ano igual a esse, mas que sejamos abençoados com um 2022 ainda melhor. Podem anotar: dia 20 de março tem o GP do Bahrein para abrir a temporada”, concluiu.