Fórmula 1

Toto Wolff esbraveja contra a FIA e declara: “a diplomacia acabou”

Mesmo com fim de semana dominante, chefe da Mercedes se mostrou chateado com as decisões da Federação e disse que pedirá para analisarem asa da Red Bull

Da Redação 14/11/2021 • 20:43 - Atualizado em 14/11/2021 • 21:05
Chefe da Mercedes, Toto Wolff esbravejou contra a FIA após o GP de São Paulo
Chefe da Mercedes, Toto Wolff esbravejou contra a FIA após o GP de São Paulo
Duda Bairros/Agif/Folhapress

A vitória de Lewis Hamilton no Grande Prêmio de São Paulo deste domingo (14) não evitou que o CEO da Mercedes, Toto Wolff, atacasse as decisões tomadas pela FIA (Federação Internacional de Automobilismo) durante o fim de semana.

O atrito já começou na corrida, logo após a ultrapassagem do piloto inglês sobre Max Verstappen na volta 59. A transmissão oficial chegou a mostrar uma comemoração efusiva de Wolff – que, inclusive, apontou para a câmera e mandou um recado para Michael Masi, diretor de corridas da FIA.

“Foi só um olá amigável para o diretor de corridas. Nós começamos o fim de semana com o pé esquerdo por conta da punição que causamos a nós mesmos pela troca de motor. Depois, fomos desclassificados e foi duro. Na corrida de hoje, as coisas também estavam contra nós, como esta decisão [da volta 41]”, desabafou o CEO em entrevista à Sky Sports F1.

A decisão citada por Wolff se deve a uma polêmica na volta 41. Hamilton tentou ultrapassar Max Verstappen e foi fechado – os dois carros saíram da pista –, em uma manobra que rendeu muita reclamação da Mercedes. A FIA chegou a analisar o incidente, mas não aplicou qualquer punição ao piloto da Red Bull.

Em entrevista aberta após a corrida, Toto Wolff discordou e disse que os comissários se eximiram de uma decisão. “Absolutamente um centímetro acima do limite. Eu entendo que Max precisava se defender, mas Lewis conseguiu brilhantemente evitar o contato e assim terminar a corrida. Isso foi um pouco além do limite, deveria ter sido uma penalidade de pelo menos cinco segundos. Provavelmente, Max sabia disso. Limpar a sujeira para debaixo do tapete é só a ponta do iceberg. Quer dizer, é ridículo”, esbravejou.

Desqualificação também rende reclamações

Toto Wolff estava visivelmente indignado com um fim de semana que, segundo ele próprio descreveu, foi de “muitos socos na cara”. Lewis Hamilton fez uma sessão classificatória na última sexta-feira (12) dominante e conseguiu a pole para a Sprint Race de sábado (13).

Porém, o piloto inglês foi desqualificado após uma desconformidade na asa do DRS (Sistema de Redução de Arrasto). A distância entre as lâminas da asa estava acima do permitido pelo Regulamento Técnico da Fórmula 1.

“Tínhamos uma peça danificada em nossa asa traseira que não podíamos olhar, não podíamos analisar. Fomos desqualificados. Isso foi muito severo, principalmente depois de ver a Red Bull reparar três vezes a asa traseira enquanto estava no parque fechado, sem qualquer consequência. Vamos pedir para analisarem”, reclamou Wolff.

Na mesma entrevista aberta, o CEO da Mercedes se mostrou irado: “Só estou com raiva e vou defender a minha equipe e os meus pilotos. Sempre fui muito diplomático na maneira como discuto as coisas, mas hoje a diplomacia acabou”.  

Mercedes leva a melhor durante todo o fim de semana

A escuderia alemã foi soberana em todas as provas do GP de São Paulo. Na classificatória, Lewis Hamilton voou e conquistou a pole. Na Sprint Race, Bottas levou a melhor sobre Max Verstappen. E na corrida deste domingo, os carros da Red Bull não conseguiram acompanhar o ritmo forte da Mercedes.

Isso gerou reclamações da rival austríaca que levantou possíveis vantagens da Mercedes com as trocas de motor. Porém, na entrevista para a Sky Sports F1, Wolff rebateu as acusações.

“O carro é totalmente legal e ficamos felizes pelo nível que ele atingiu. Dá para questionar se estava legal na classificação, e eu digo que não estava, mas falhamos na vistoria porque a aleta da asa quebrou. Observamos que eles [Red Bull] estavam com um remendo na asa hoje, então tudo bem. Dá para ver como a maré vira rápido. Nosso carro foi o melhor do fim de semana, mas eles podem ser mais rápidos no Catar. Que vença o melhor”, afirmou.

Com as falas efusivas de Toto Wolff, a expectativa é de que a briga ganhe traços explosivos – com briga política nos bastidores. Com a vitória no Brasil, Lewis Hamilton reduziu a sua diferença para Max Verstappen no mundial de pilotos para 14 pontos (332,5 a 318,5). Já no mundial de construtores, a Mercedes abriu vantagem de 11 pontos em relação à Red Bull por conta do bom resultado de Valtteri Bottas (521,5 a 510,5).

A Fórmula 1 volta no próximo fim de semana no Circuito Internacional de Losail, em Lusail, no Catar. A corrida será no domingo, às 11h, com cobertura completa do Grupo Bandeirantes de Comunicação.