Esportes

Marco Aurélio Cunha “se rende” a Diniz e diz que não procurou Rogério Ceni

Da Redação com Rádio Bandeirantes 21/11/2020 • 18:31 - Atualizado em 21/11/2020 • 18:40
Ex-dirigente do São Paulo deu entrevista exclusiva à Rádio Bandeirantes
Ex-dirigente do São Paulo deu entrevista exclusiva à Rádio Bandeirantes
Divulgação/São Paulo FC

Ex-diretor de futebol e conselheiro vitalício do São Paulo, Marco Aurélio Cunha disse em entrevista à Rádio Bandeirantes neste sábado (21) que o técnico Fernando Diniz, a quem já criticou, poderia seguir no cargo mesmo se não ganhasse o título da Copa do Brasil ou do Brasileirão no fim da temporada 2020.

“Acho que ele merece permanecer. Mas não existe garantia no futebol. Sendo honesto e não sendo hipócrita, lamentavelmente é o resultado que garante. Mas se o time joga bem e convence, perde a Copa do Brasil nos pênaltis ou jogando muito, acho que não há motivos para trocar”, comentou o dirigente, que viu evolução no trabalho do atual comandante tricolor. 

“A proposta ofensiva dele é extremamente interessante, mas precisa da cautela que diferentes competições exigem. Uma coisa é ponto corrido e outra mata-mata, quando tomou dois gols acabou. Acredito que agora ele esteja encontrando um ponto de equilíbrio”, analisou o dirigente.

Boa fase do São Paulo foi assunto no Jogo Aberto; assista!

Derrotado por Roberto Natel na convenção que definiu o candidato da oposição à presidência do São Paulo, que será em dezembro, Marco Aurélio Cunha negou que tenha procurado Rogério Ceni para assumir a equipe no ano que vem. O ídolo tricolor acabou trocando o Fortaleza pelo Flamengo. 

“Jamais (procurei). Até por respeito ao Rogério, ao Fortaleza e ao Diniz”, disse o conselheiro são-paulino. 

“Sou amigo do Rogério, volta e meia a gente troca mensagem, mas sobre a vida, saber se está tudo bem, um incentivando o outro. Mas não teve promessa, isso seria totalmente antiprofissional. Um dia é claro que ele vai voltar para o São Paulo. É um treinador de sucesso e quando casar a oportunidade para ele e para o clube ele volta naturalmente, assim como o Muricy (Ramalho) voltou outras vezes”, concluiu. 

  • marco aurélio cunha
  • são paulo
  • futebol
  • rogério ceni