Esportes

Morre 2ª vítima de atropelamento causado pelo jogador Marcinho, ex-Botafogo

Da Redação, com BandNews FM 05/01/2021 • 20:51 - Atualizado em 06/01/2021 • 08:25
Marcinho, ex-lateral do Botafogo
Marcinho, ex-lateral do Botafogo
Celso Pupo/Fotoarena/Estadão Conteúdo

Atingida em acidente provocado com o carro guiado pelo lateral direito Marcinho, Maria Cristina José Soares, de 66 anos, teve a morte confirmada na noite desta terça-feira, 05. Ela era esposa do professor Alexandre Lima, que já havia morrido no dia do acidente, no último dia 30 de dezembro. A informação é do Marcus Sadok, da BandNews FM, no Bora Brasil.

Maria Cristina estava internada no CTI de um hospital particular na Zona Oeste do Rio. Além das fraturas causadas pelo atropelamento, a professora estava com Covid-19.

O ex-atleta do Botafogo deve ser indiciado por duplo homicídio culposo, quando não há intenção de matar.

O jogador prestou depoimento na última segunda-feira (4) e admitiu que atropelou o casal de professores na noite da última quarta-feira, na praia do Recreio, Zona Oeste do Rio. Marcinho fugiu sem prestar socorro e abandou o carro a cerca de 1 km de distância. A defesa dele afirma que o atleta fugiu por medo de ser linchado.

O lateral de 24 anos chegou a ser convocado para Seleção e não quis renovar contrato com o Botafogo, que terminou no dia 31 de Dezembro. O atleta é sobrinho do técnico Oswaldo de Oliveira.

De acordo com a Policia Civil, não é possível saber se ele consumiu álcool antes do atropelamento.

Marcinho disse que participou de uma confraternização com a família, mas que não bebeu. Também relatou que estava em baixa velocidade, cerca de 60 km/h.  Porém, uma das testemunhas do acidente afirmou que ele estava em alta velocidade e "costurando" no trânsito. Ela também afirma que o trânsito estava "moderado" e permitia a chegada das vítimas em segurança ao outro lado da rua.

  • marcinho
  • atropelamento
  • maria cristia josé soares