Os Donos da Bola

Danilo Avelar diz que combate a racismo virou causa e sonha em ficar no Corinthians

Jogador falou ao Donos da Bola sobre afastamento no Timão: "Me tornei uma pessoa melhor"

Da Redação, com Os Donos da Bola 23/09/2021 • 13:58 - Atualizado em 23/09/2021 • 17:04

Três meses depois de cometer uma injúria racial durante uma partida on-line e ser afastado do Corinthians, Danilo Avelar abriu o jogo em entrevista ao programa Os Donos da Bola desta quinta-feira (23) e disse que “aprendeu e está aprendendo” com o que fez.

“Fiquei em silêncio e isso foi importante para eu entender o que aconteceu”, disse. “Um simples pedido de desculpas não seria suficiente para eu melhorar como pessoa. O tema racismo está acima de Corinthians, se eu vou trabalhar ou não”, completou.

O zagueiro e lateral esquerdo afirmou que mergulhou no assunto racismo após o episódio, visitou comunidades, uniu-se à Cufa (Central Única das Favelas) e está fazendo um curso com a ativista e pesquisadora negra Winnie Bueno. 

“Saí da minha bolha e sei da minha condição de branco privilegiado. São coisas rotineiras que estão enraizadas. A gente vê racismo na nossa frente de várias formas, o racismo estrutural, o racismo institucional… Um dos problemas é educacional. O que aprendemos na escola sobre racismo, sobre o legado da escravidão?”, questionou.

Danilo Avelar se disse envergonhado pela injúria e assegurou que já se tornou uma “pessoa melhor”. “Quero aprender e continuar aprendendo e passar isso à frente. Só silenciar não basta. Talvez fosse o que eu fizesse. Não combatia o racismo. Tive que errar para entender”, declarou.

Recuperando-se de uma grave lesão no joelho, Avelar segue treinando separado do restante do elenco do Corinthians. Ele admitiu que gostaria de atuar novamente pelo time do coração, mas repetiu que isso ficou em segundo plano. 

“Graças a Deus já tive uma carreira brilhante. Foram anos na Europa e voltei para realizar o sonho de jogar no Corinthians. Sou corintiano e meu sonho é continuar. Mas meu objetivo maior é a causa. Mais importante do que eu seguir ou jogar em outro lugar”, concluiu.

  • Futebol
  • Esportes