Os Donos da Bola

Jaílson diz que conversou com presidente e quer mais um ano no Palmeiras

Em entrevista ao Donos da Bola, goleiro recordou chegada surpreendente ao Verdão em 2014

Da Redação, com Os Donos da Bola 28/10/2021 • 08:58

Em entrevista ao programa Os Donos da Bola, Jaílson admitiu que sonha em ficar mais uma temporada no Palmeiras e revelou conversa com o presidente Maurício Galiotte sobre o futuro - o contrato dele vai apenas até o final deste ano. 

“Sempre renovei contrato no fim do ano, em novembro. Tô sossegado e tranquilo com isso. O presidente me falou dois meses atrás: ‘só depende de você’. E eu falei ‘então pode deixar que eu vou ficar mais um ano aqui’”, afirmou o goleiro de 40 anos, que foi bem quando substituiu o titular Weverton nesta temporada.

“Eu treino muito apesar de já ter 40 anos. Pessoal fala ‘pô, tá velho, tá no final de carreira’, mas trabalho com uma dedicação enorme e sonho em jogar mais um ano pela minha esposa, pelos meus filhos e pelos meus familiares”, completou.

Jaílson relembrou a surpreendente chegada ao Verdão em 2014, quando já tinha 33 anos e era reserva no Ceará. “Cheguei a perguntar para o Dorival (Júnior, treinador do Palmeiras à época) o motivo da contratação, mas ele falou só que me conhecia e para trabalhar e buscar meu espaço”. 

A esperada sequência do goleiro chegou em 2016, quando o titular Fernando Prass se machucou com gravidade. Jaílson se tornou um dos destaques da campanha do título brasileiro e caiu nas graças da torcida.

“Tive a oportunidade de estrear na Série A com 35 anos. Isso não tem explicação. Ficamos 19 jogos sem perder e fomos campeões depois de 22 anos. Não sei explicar, só sei que era para acontecer desse jeito. E ainda recebi o prêmio de melhor goleiro”, destacou. 

Racismo no início da carreira

Na conversa com o Donos, Jaílson também falou sobre o racismo que sofreu quando iniciava a carreira no Joseense, time de São José dos Campos, sua cidade natal no interior paulista.

“O treinador de goleiros falou que eu não iria jogar em time nenhum porque era pobre e preto. Fiquei chateado, fui embora chorando, mas falei que esse cara ainda iria engolir tudo que falou sobre minha pessoa”, disse.