Notícias

"Afegã dos olhos verdes" imortalizada em capa de revista foge do Talibã

Mulher conhecida por chamar atenção do mundo em capa de National Geographic fugiu do Afeganistão, tomado pelo grupo extremista Talibã

Abinoan Santiago 27/11/2021 • 10:48 - Atualizado em 27/11/2021 • 13:46
A fotografia da menina afegã é a mais famosa de Steve McCurry
A fotografia da menina afegã é a mais famosa de Steve McCurry
Foto: Reprodução/Steve McCurry

Famosa por estampar a capa de uma edição da revista National Geographic, Sharbat Gula, de 49 anos, a “garota afegã de olhos verdes”, recebeu refúgio na Itália. A informação foi confirmada pelo gabinete do primeiro-ministro italiano Mario Dragui nesta semana.  

O governo do país europeu concedeu abrigo após a mulher pedir ajuda para deixar o Afeganistão, que vive uma crise política e econômica desde agosto depois que o grupo extremista Talibã retomou o poder.  

Segundo a Itália, a concessão de refúgio à Sharbat faz parte de uma iniciativa mais ampla de evacuar e integrar os cidadãos afegãos à comunidade europeia, diz a Agência Reuters.

Sharbat é considerada um símbolo das “vicissitudes e dos conflitos da fase que o Afeganistão e seu povo atravessam", informou o governo italiano.  

Essa não é a primeira vez que Sharbat deixa o Afeganistão em busca de abrigo. Em 2016, a mulher acabou presa no Paquistão por porte de documento falso. Ele tentava viver ilegalmente no país vizinho da Ásia.  

Sharbat retornou ao país natal e chegou a receber um apartamento do então presidente afegão Ashraf Ghani, mas desde a retomada do poder pelo Talibã, passou a temer pela sua liberdade em razão da violação dos direitos das mulheres pelo grupo extremista.  

Famosa "anônima" por foto

Sharbat ganhou fama aos 12 anos após ser fotografada por Steve McCurry enquanto vivia em um campo de refugiados na fronteira entre o Paquistão e Afeganistão, em 1985.

O contraste dos seus olhos verdes com o cenário cinzento que a rodeava chamaram atenção, ganhando o apelido de “Mona Lisa do Terceiro Mundo”.  

Apesar da fama pela sua imagem, sua identidade foi descoberta somente em 2002, quando o fotógrafo retornou à região para procurá-la.  Ele a localizou em Nasir Bagh, território paquistanês.

A confirmação da identidade, contudo, precisou de ajuda do FBI, órgão de inteligência dos Estados Unidos. Através de um teste de reconhecimento pela íris, se tornou possível atestar que Sharbat era a mesma pessoa fotografada décadas antes.