Notícias

Policial é preso por dirigir bêbado, causar acidente e ameaçar vítimas

Testemunhas dizem que Altemir dos Santos Junior gritava "vou matar todo mundo, cadê minha arma?"

Da Redação, com Band Minas 16/05/2022 • 11:47 - Atualizado em 16/05/2022 • 12:04

O policial civil, Altemir dos Santos Junior, de 57 anos, investigador de Minas Gerais, foi preso por suspeita de dirigir com sintomas de embriaguez, além de bater o veículo em pelo menos três carros na contramão da Rua São Clemente, no bairro Bom Jesus, na Região Noroeste de Belo Horizonte

O fato aconteceu na noite deste sábado, dia 15, e segundo o boletim de ocorrência, Altemir estava em uma festa e decidiu ir embora após desentendimento no local. 

Em seguida, ele pegou o carro e começou a dirigir de ré, na contramão, em alta velocidade, atingindo os carros. Ainda de acordo com a ocorrência, os motoristas dos veículos atingidos informaram que depois da batida, o suspeito desceu do veículo e gritou: "Vou matar todo mundo, cadê minha arma?". 

Testemunhas confirmaram aos militares que o homem fez uso de bebidas alcoólicas antes de dirigir, e que estava com os olhos vermelhos e com hálito etílico. 

O investigador se recusou a fazer o teste do bafômetro e disse aos militares que um outro carro teria batido de frente com o dele. Apesar dos veículos atingidos ninguém ficou ferido. O suspeito e as vítimas foram levados para o Detran, onde foi finalizada a ocorrência. 

Segundo militares, as vítimas dispensaram providências. Em nota a polícia Civil informou que todas as providências legais cabíveis foram adotadas na Delegacia de Plantão, sendo instaurado procedimento pela Corregedoria da instituição para apurar a conduta do policial, de 57 anos, e as circunstâncias do fato. 

Foi realizado no local dos fatos, o auto de infração de trânsito, recolhida a carteira de habilitação do condutor e apreendido o veículo dele pela Polícia Militar. 

A PCMG também informou que de acordo com relato da Polícia Militar, as vítimas dispensaram providências em relação às ameaças e foram todos liberados. 

O condutor segue sendo investigado, podendo ser responsabilizado na área cível, administrativa e/ou criminal.