Bora SP

Cidade de São Paulo vai escalonar vacinação para quem tem mais de 50 anos

O objetivo é evitar superlotação e aglomerações nos postos de saúde da capital

Da Redação, com Rádio Bandeirantes e Bora SP 15/06/2021 • 07:25 - Atualizado em 15/06/2021 • 10:39

Em entrevista ao Bora SP, o secretário da Saúde da capital paulista, Edson Aparecido, anunciou nesta terça-feira (15) um calendário escalonado de vacinação contra Covid da faixa etária entre 50 e 59 anos, válido para a cidade. Ele disse que o objetivo é evitar grandes filas, já que esse grupo é formado por mais de 1,4 milhão de pessoas. 

Veja as datas:

Quarta-feira (15/06) - pessoas de 56 e 57 anos
Quinta-feira - pessoas de 54 e 55 anos
Sexta-feira - pessoas de 52 e 53 anos
Sábado - pessoas de 50 e 51 anos
Segunda e terça que vem - todos de 50 a 59 anos 

Aparecido afirmou que a cidade está recebendo uma média de 200 mil doses de vacina por dia, o que também justifica a adoção do escalonamento. Segundo o secretário, as vacinas reservadas para os grupos que já vêm sendo imunizados e para quem busca a segunda dose não serão aplicadas nesses novos grupos. 

“Nossa ideia é não aglomerar. Estamos recebendo as doses de vacina de maneira parcelada. Cerca de 200 mil por dia. A prefeitura de São Paulo também segue vacinando pessoas com comorbidades, deficiência permanente, em situação de rua, gestantes, lactantes e puérperas acima de 18 anos”, disse.

Sobre a média móvel de novos casos na capital, Aparecido disse que ainda há uma evolução, mas que a curva está bem mais baixa do que os técnicos da prefeitura previam no final de maio para meados de junho. 

“Nós vínhamos com uma ascendência no número de casos, de modo que prevíamos ter um pico de internações na cidade entre 17 e 20 de junho. Felizmente, e seguramente em função do avanço da vacinação, ainda temos uma média móvel com tendência de subida, mas em uma curva menos acentuada. Nós deveremos ter esse pico no final do mês na cidade de São Paulo”, afirmou. 

Ele acredita que esse "achatamento" é decorrente do avanço da vacinação, mas alerta para uma situação ainda crítica. Segundo o secretário, quase 40% dos paulistanos acima de 18 anos já tomaram a primeira dose. Outro ponto ressaltado por ele é a redução da internação de idosos, mais um reflexo da vacinação.

“Isso não significa que a situação é menos grave. Nós tivemos ontem à noite, por exemplo, o patamar de ocupação de leitos de UTI na cidade em 76%. É muito alto. Mas agora nós temos mais tempo para impactar aqueles mais 250 leitos de UTI que já estamos implantando, preparar a cidade para se, eventualmente, a gente tenha esse pico no final do mês. Mas o impacto da vacinação começa a ser visivelmente notado”, afirmou.

Edson Aparecido ainda ressaltou os cuidados que a população deve ter. “A pandemia não passou. Nós precisamos avançar no processo de vacinação e as medidas sanitárias precisam continuar a ser obedecidas. Na medida que as pessoas se aglomeram, a reincidência da doença é imediata. Então, nós não podemos relaxar de forma alguma”.

  • vacinação
  • São Paulo
  • vacina
  • Covid-19
  • pandemia