Notícias

Atacada com soda cáustica fala de motivação do crime: 'Ciúmes de algo que não existia mais'

Isabelly Aparecida Ferreira Moro citou que nunca havia falado com agressora antes do ataque

Da redação

Isabelly Aparecida Ferreira Moro, a jovem atacada com soda cáustica por uma mulher em Jacarezinho, no interior do Paraná, falou com o Brasil Urgente após receber alta do hospital nesta terça-feira (11). A jovem citou que a autora do crime, Débora Custódio, cometeu o ataque motivada por um ciúmes inexistente. 

“Muitos dizem que foi por ciúmes, mas foi por conta de um relacionamento que já não existia há um bom tempo, há dois meses já. Até agora não entendo”, afirmou ao apresentador José Luiz Datena. Segundo Isabelly, ela não conhecia a agressora. “Nunca tive diferenças com ela, nunca troquei palavras com ela”, pontuou. 

Com ferimentos na boca e ainda se recuperando de uma pneumonia adquirida após o ataque, Isabelly conta que ainda precisará tomar antibióticos. “Não estou totalmente recuperada, é bem difícil de me alimentar, tomo antibióticos porque tive uma pneumonia forte e infecção no sangue”, afirmou. 

Relembre o caso

Isabelly Ferreira foi surpreendida por uma mistura de soda cáustica e água jogada no rosto dela. A vítima foi socorrida por pessoas que passavam no local. A autora do crime foi identificada como Débora Custódio, que foi namorada do ex-companheiro da jovem. 
A vítima chegou a ser entubada e ficou em coma induzido na UTI do Hospital Universitário de Londrina. Isabelly teve lesões graves na boca e no peito. Os médicos suspeitavam que a soda poderia ter afetado órgãos internos, o que não se confirmou, melhorando o prognóstico.  Dois dias após o crime, a autora do ataque foi presa e confessou o atentado por ciúmes do companheiro, que teve um relacionamento anterior com a vítima.

Na última quinta-feira (6), o Ministério Público do Paraná denunciou Débora por tentativa de homicídio qualificado motivado por ciúmes, emprego de meio cruel e feminicídio. O MP também solicitou que seja fixado um valor para a reparação de danos estéticos, morais e materiais sofridos pela vítima. A agressora segue presa preventivamente.

Tópicos relacionados