Brasil Urgente

Criminosos que mataram motorista de aplicativo são presos

Os três suspeitos já estão com prisão temporária decretada pela justiça

Carla Ramil 21/05/2022 • 17:40 - Atualizado em 21/05/2022 • 18:03

Depois de um rápido trabalho de investigação, policiais da delegacia de homicídios de São Bernardo do Campo, no ABC Paulista, identificaram dois casais de namorados, uma adolescente e três adultos suspeitos de envolvimento na morte de Aldenor machado, de 63 anos.

O motorista de aplicativo foi atraído para uma emboscada armada pelo grupo. A corrida saiu de Diadema, na grande São Paulo, mas o assalto foi anunciado em São Bernardo do Campo, onde o motorista foi executado, dentro do carro.

O delegado Miguel Ferreira da Silva, do DEIC, deu detalhes de como aconteceu o crime: “Deram um mata leão no motorista, ele reagiu, aí deram um mais forte e agrediram a vítima” contou.

Segundo depoimento dos autores, que confessaram o crime, eles perceberam que a vítima estava sem vida, decidiram primeiro descartar o celular do motorista de aplicativo, para que não fosse rastreado.

Imagens mostram o momento em que uma garota joga o aparelho em uma área de mata. Na sequência o grupo coloca Aldenor no porta-malas do próprio veículo e abandona o corpo nas imediações da favela naval, em Diadema. 

O carro dele também foi deixado próximo dali. Os criminosos fugiram com a carteira da vítima, com cerca de mil reais em dinheiro.

Com os suspeitos a polícia encontrou os cartões bancários do motorista e um caderno de anotações. Também foram apreendidos um soco inglês e uma réplica de revólver calibre 38. 

Os três suspeitos já estão com prisão temporária decretada pela justiça por latrocínio, roubo seguido de morte. Já a menor está sob a responsabilidade da vara da infância e juventude e deve ser encaminhado à fundação casa. Um dos suspeitos já tinha passagem pela polícia. 

O crime deixa um alerta importante, sobre a fragilidade no sistema cadastral de uma empresa de corridas por aplicativo, que aceitou um perfil falso. “Basta informar o número do cpf e habilitar. Eles têm uma base de dados, mas não se confirma se realmente quem está habilitando aquele cpf é aquela pessoa titular daquele CPF”, disse Miguel Ferreira, delegado do DEIC. 

Em nota a 99 táxi informou que lamenta a morte do motorista parceiro e que tem prestado todo apoio à família da vítima e às autoridades policiais. Afirmou ainda que fez o bloqueio da conta que acionou a corrida.