Brasil Urgente

Irmão de jogador de futebol é libertado após sequestro de 8 dias em SP

Quadrilha chegou a pedir US$ 300 mil a atleta pela libertação do familiar

Da Redação, com Brasil Urgente 16/09/2021 • 17:46 - Atualizado em 16/09/2021 • 19:31

Um representante comercial natural do Paraguai foi libertado nesta quarta-feira (15) de um cativeiro na cidade de Miracatu (SP), no Vale do Ribeira, após oito dias de sequestro. As informações são do Brasil Urgente.

A vítima, irmã de um jogador de futebol que atua no país vizinho, foi sequestrado na Praia Grande (SP) durante uma viagem com familiares. Com ele no porta-malas de um carro, a quadrilha responsável rodou cerca de 200 km até o cativeiro.

Muito debilitado, ele mal tinha forças para se levantar ao ser resgatado pelos policiais. Emocionado, agradeceu por estar vivo.

Os policiais civis de Miracatu, cidade a cerca de 140 km de São Paulo, precisaram de um alicate de corte para arrebentar a corrente e o cadeado que o mantinham preso em um dos cômodos do cativeiro – uma casa simples na zona rural do município.

Foram oito dias de terror. No local, o refém só recebeu comida por dois dias. As agressões eram frequentes. O homem contou que chegou a ser levado a uma área de mata dentro da chácara - onde, de acordo com a quadrilha, ele seria executado e enterrado, mesmo após o pagamento de um resgate.

Os criminosos pesquisaram informações sobre a família da vítima através das redes sociais. O contato era um irmão do refém, um jogador de futebol profissional. A quadrilha inicialmente pediu um resgate de US$ 300 mil. Ao final, já aceitava US$ 10 mil, que deveriam ser transferidos via PIX.

Segundo a vítima, os sequestradores são do PCC (Primeiro Comando da Capital) e chegaram a dizer que ela seria morta mesmo com o pagamento do resgate para evitar reconhecimento.

De acordo com o refém, quando ele chegou ao cativeiro, outros dois estrangeiros eram mantidos em cárcere, sequestrados pela mesma quadrilha. Eles só deixaram a chácara em Miracatu depois do pagamento de um resgate.

A Polícia Civil de Miracatu chegou até o imóvel depois de uma denúncia anônima. Um integrante da quadrilha que tomava conta do cativeiro percebeu a aproximação das equipes e conseguiu escapar. Ele deixou para trás uma pistola usada para ameaçar a vítima.

A investigação acredita que pelo menos oito bandidos façam parte da quadrilha. Eles estão foragidos.