Brasil Urgente

Médico não reagiu a assalto antes de ser morto no Guarujá, diz delegado

Rodolfo Enrique Postigo Castro foi abordado por dupla no fim de semana ao sair de restaurante com a família

Da Redação, com Brasil Urgente 02/08/2021 • 17:34 - Atualizado em 02/08/2021 • 19:53

O médico Rodolfo Enrique Postigo Castro, morto no último sábado (31) durante um assalto no Guarujá (SP), não reagiu ao ser abordado por dois criminosos em uma moto.

A informação é do delegado Sergio Nassur, da Polícia Civil de São Paulo, que investiga o caso. O infectologista foi assaltado ao sair de um restaurante na cidade do litoral paulista – ele estava no local com a mulher e dois filhos.

“Nós não tivemos notícia, durante as oitivas que nós fizemos com familiares que aqui estiveram, de que a vítima tenha efetuado qualquer espécie de reação ou mesmo esboçado alguma espécie de reação”, disse Nassur em entrevista ao Brasil Urgente.

“O que nos chamou bastante a atenção, porque nos deu a entender que o autor efetuou o disparo que vitimou o médico por um capricho, por mera crueldade. Não há, nas narrativas das vítimas, qualquer informação no sentido de que ele tenha esboçado qualquer espécie de reação à voz de assalto que eles receberam.”

A dupla fugiu após o crime levando uma corrente de ouro e um celular. Atingido por um disparo no peito, Rodolfo foi levado a um pronto-socorro, mas não resistiu. A mulher e os filhos dele não quiseram gravar entrevista.

O autor do disparo chegou a ser reconhecido por familiares do médico. Os policiais foram até a casa do suspeito, mas ele não foi encontrado. Segundo a Polícia Civil, ele é menor de idade e já havia sido apreendido duas vezes nos últimos meses – a última delas, em julho, por posse de arma de fogo.

“Nesse caso, em particular, a legislação não permite que um adolescente fique apreendido, que ele seja internado. Obrigatoriamente ele é devolvido a seus familiares. Não se trata de uma infração praticada com violência, grave ameaça à pessoa”, disse o delegado Nassur.

Antes disso, três meses atrás, o menor foi apontado com o autor de um roubo na praia da Enseada, também no Guarujá. Como não houve flagrante, ele foi novamente liberado.

“Ele foi apontado como autor de um outro roubo. Esse vitimou uma senhora aqui também no nosso município, na região da Enseada. Abordou a vítima, roubou diversos pertences dela – joias, relógio, telefone celular. Entretanto, ele somente foi capturado, abordado, por policiais militares cerca de um dia e meio após o fato ocorrido. O fato se deu na manhã de um determinado dia; na noite subsequente é que ele foi então abordado, conduzido aqui à delegacia e foi reconhecido pela vítima como o autor. Não estava mais em situação flagrancial, não era mais possível mantê-lo apreendido nessa circunstância. Todas as medidas que poderiam ser tomadas naquele momento foram”, explicou.

O caso em questão foi encaminhado à Vara e Juventude da comarca. “Esse procedimento certamente está em andamento”, acrescentou o delegado. 

  • Tatuí
  • Guarujá
  • SP
  • Polícia Civil