Brasil Urgente

Sindicato acata decisão da Justiça para encerrar greve de ônibus em São Paulo

Presidente do SindMotoristas afirmou que proposta feita pelo Tribunal é boa para os trabalhadores e categoria deve se reunir

Da redação, com Brasil Urgente 29/06/2022 • 17:07 - Atualizado em 29/06/2022 • 20:49

O Sindicato dos Motoristas e Trabalhadores em Transporte Rodoviário Urbano de São Paulo acatou decisão da Justiça para o fim da greve de ônibus na capital paulista.

Em entrevista a José Luiz Datena, no Brasil Urgente, o presidente do Sindmotoristas, Valdevan Noventa, afirmou que os ônibus devem voltar a circular em São Paulo ainda hoje (29).

“Vamos respeitar o que foi determinado pela Justiça. A gente viu que o trabalhador saiu com ganho. O Tribunal concedeu os 100% da hora extra. Vamos colocar aqui a proposta que foi colocada pelo Tribunal”, disse.

O Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região de São Paulo julgou como abusiva a greve de cobradores e motoristas de ônibus da capital paulista e aplicou uma multa de R$ 100 mil ao sindicato dos trabalhadores pelo descumprimento de liminar da Justiça nas paralisações dos dias 14/6 e desta quarta-feira (29/6).

Entenda

Nesta terça-feira (28), o Sindmotoristas anunciou uma paralisação de 24 horas. Os trabalhadores exigiam o horário de almoço remunerado, a participação nos lucros (PLR), adequação de nomenclaturas e plano de carreiras do setor de manutenção, entre outros.

Na última greve, que ocorreu no dia 14 de junho, a categoria conseguiu que os empresários reajustassem o salário em 12,47% retroativo a maio. Com isso, os trabalhadores anunciaram o retorno das atividades por cinco dias até a conclusão das negociações sobre os outros itens da pauta.

Em entrevista ao Bora SP o prefeito de São Paulo, Ricardo Nunes, criticou a greve e chamou a postura do sindicato de irresponsável. Ele argumentou que a paralisação não faz sentido porque, hoje, o Tribunal Regional do Trabalho (TRT) julgaria as pendências da última negociação.

“É irresponsável o que estão fazendo. Esses demais itens estão para ser julgados. Poderia ter sido aguardado. Não teria porque fazer essa greve hoje”, lamentou Nunes.