Notícias

Comissão da Câmara aprova convites para ouvir Guimarães e Guedes sobre assédio

No dia 28 de junho, vieram à tona relatos de mulheres sobre momentos de assédio durante o trabalho por parte do presidente da Caixa

Da redação com BandNews TV 06/07/2022 • 09:33 - Atualizado em 06/07/2022 • 13:40
Comissão aprova convites para ouvir Pedro Guimarães e Paulo Guedes
Comissão aprova convites para ouvir Pedro Guimarães e Paulo Guedes
Reprodução

A Comissão de Trabalho, Administração e Serviço Público da Câmara Federal aprovou convites para que Pedro Guimarães, ex-presidente da Caixa, e o ministro Paulo Guedes, da Economia, sejam ouvidos sobre as denúncias de assédio moral no banco.  A decisão foi tomada na última terça-feira (05).

No dia 28 de junho, vieram à tona relatos de mulheres sobre momentos de assédio durante o trabalho por parte do presidente da Caixa. As denúncias foram divulgadas pelo site Metrópoles.

As vítimas teriam contado que os assédios aconteciam, principalmente, durante viagens do programa Caixa Mais Brasil, criado por Guimarães para descentralizar a gestão. Desde janeiro de 2019, foram feitas mais de 140 viagens.

Governo pressionado

O governo federal recebeu pressão dos próprios aliados do Congresso para tirar Guimarães do comando do banco. No dia 29, a Band antecipou que Daniella Marques, então secretária especial de Produtividade e Competitividade do Ministério da Economia e pessoa de confiança de Paulo Guedes, ocuparia a presidência da Caixa. A confirmação foi do próprio ministro.

Guimarães pede demissão

Na noite do dia 29, Guimarães oficializou o pedido de demissão. A saída foi anunciada em carta aberta, ocasião em que negou as acusações e disse que decidiu se afastar do cargo para não prejudicar o governo, alvo de “rancor político em ano eleitoral”, segundo ele.

“Minha esposa, meus dois filhos, meu casamento de 18 anos e eu fomos atingidos por acusações feitas antes que se possa contrapor um mínimo de argumentos de defesa. É uma situação cruel, injusta, desigual e que será corrigida na hora certa com a força da verdade”, disse Guimarães no comunicado de demissão.