Notícias

“É hora desta guerra acabar”, diz Joe Biden sobre guerra no Oriente Médio

O presidente Biden acenou para um futuro em que Arábia Saudita e Israel terão relações de paz, e Gaza será reconstruída

Por Moises Rabinovici

“É hora desta guerra acabar”, diz Joe Biden sobre guerra no Oriente Médio
Evelyn Hockstein/Reuters

No 238º dia da guerra em Gaza, um novo plano de cessar-fogo e libertação de reféns foi apresentado pelo presidente Biden, com algumas pequenas diferenças dos anteriores. Teria três fases. 

A primeira, com duração de seis semanas, incluiria um cessar fogo total, a retirada das tropas israelenses de todas as áreas povoadas de Gaza, a libertação de reféns mulheres, idosos, crianças e feridos, em troca de centenas de prisioneiros palestinos”.

“É hora desta guerra acabar”, dizia o presidente Joe Biden na Casa Branca, em Washington, enquanto tropas israelenses avançavam no centro e sul de Rafah, e o Hezbollah disparava uma barragem de 15 mísseis contra o norte de Israel.

Na segunda fase, os reféns israelenses restantes, incluindo soldados do sexo masculino, seriam libertados, com a retirada de Israel de Gaza – e, se mantido, o cessar-fogo se tornaria uma “permanente cessação de hostilidades”, na linguagem dos negociadores israelenses, que o Hamas quer substituir por uma frase que deixe claro o fim da guerra.

A terceira fase será um grande plano de reconstrução de Gaza e a repatriação de reféns mortos para suas famílias. O significativo, neste novo plano é o empenho do presidente Biden. 

Ao apresentá-lo, aproveitando a multidão de repórteres reunida para ouvir seus primeiros comentários sobre a condenação de Donald Trump, ele repetiu: “Não se pode perder este momento, uma guerra indefinida em busca de uma noção não identificada de vitória total, drenando os recursos econômicos, militares e humanos, ao preço do isolamento de Israel no mundo. ” E acrescentou: “O Hamas tem que acabar a guerra que começou”.

O presidente Biden acenou para um futuro em que Arábia Saudita e Israel terão relações de paz, e Gaza será reconstruída. 

Os ministros religiosos de extrema direita não perderam tempo em ameaçar a debandada do governo, se o plano for aprovado, o que deixaria a atual coligação sem maioria no Parlamento. 

Do Hamas, uma hora depois de divulgado o plano, não se ouviu nenhuma reação. Nos últimos dias, porém, vídeo e áudio de reféns foram divulgados para aumentar a pressão dos seus familiares sobre Netanyahu, num momento em que as tropas israelenses estão sobre lutando contra os dois últimos dos 24 batalhões do Hamas. 

Tópicos relacionados

Mais notícias

Carregar mais