Notícias

Elon Musk deve remover a função ‘bloquear’ da plataforma X, ex-Twitter

Dono do antigo Twitter disse que o recurso será excluído, exceto para as mensagens diretas. Para ele, a função de bloqueio 'não faz sentido'

Da Redação

Elon Musk deve remover a função ‘bloquear’ da plataforma X, ex-Twitter
Reuters

O empresário bilionário Elon Musk anunciou que deve remover a função de “bloquear contas” da plataforma X, antigo Twitter, da rede social. Com a opção, usuários podem impedir que determinadas contas vejam as publicações tanto no perfil quanto na página inicial. 

Em publicação na plataforma X, Musk afirmou que “o block será excluído como um ‘recurso’, exceto para DMs”, que são as mensagens diretas, ou seja, troca de mensagens privadas entre os usuários da rede social. Para ele, a função “não faz sentido”. 

Porém, os usuários adicionaram um alerta na publicação de Musk sobre a decisão de remover a opção de bloquear. Para eles, pode prejudicar a plataforma.

“Se a capacidade de bloquear usuários fosse removida, X estaria violando as políticas da App Store, bem como da Google Play Store. Potencialmente, isso pode levar à remoção do X dessas plataformas. No entanto, não existem tais políticas para o aplicativo da web”, diz o alerta. 

“O bloqueio é um recurso básico de segurança que permite proteção básica para vítimas de abuso e perseguição. A remoção desse recurso comprometeria a segurança de muitas pessoas nas redes sociais”, completou. 

Polêmicas de Elon Musk 

Em 27 de outubro, o empresário bilionário sul-africano Elon Musk postou uma carta em sua conta pessoal do Twitter onde diz que comprou a rede social. A última informação relacionada ao valor para compra da plataforma foi US$ 44 bilhões. Dias após concluir a compra, Elon Musk decidiu demitir 3.750 funcionários do Twitter.

Em novembro, o bilionário publicou um questionamento sobre a reativação da conta do ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trumpo, que recebeu mais de 15 milhões de respostas, 51,8% dos internautas votaram a favor do retorno. 

Em dezembro, perfis de jornalistas de grandes veículos internacionais, como o The New York Times, CNN, The Washington Post, Intercept, foram suspensos do Twitter. Na rede social, Elon Musk chegou a fazer enquetes sobre o período de suspensão dos jornalistas. No resultado, os usuários pediram a reativação das contas “agora”. 

No mesmo mês, Musk realizou uma enquete no Twitter onde questionou se deveria deixar o cargo de CEO da plataforma. Pouco mais de 17,5 milhões de pessoas responderam a pergunta: “Devo deixar o cargo de chefe do Twitter? Vou respeitar os resultados desta enquete”. Ele anunciou Linda Yaccarino como a nova responsável pela rede social em maio. 

Em abril deste ano, a plataforma fez a remoção do selo azul (conta verificada), até então gratuito. O recurso passou a ser disponibilizado por meio de assinatura do chamado Twitter Blue. Em julho, Elon Musk anunciou a mudança no nome da plataforma, de Twitter para X.

Tópicos relacionados

Mais notícias

Carregar mais