Notícias

IPCA-15: prévia da inflação perde força em janeiro, aponta IBGE

Apesar da desaceleração, todas as capitais pesquisadas apresentaram aumento nos preços

Da redação com BandNews TV 26/01/2022 • 11:13 - Atualizado em 26/01/2022 • 11:15
Com exceção dos transportes, todos os outros oito grupos apresentaram alta em janeiro
Com exceção dos transportes, todos os outros oito grupos apresentaram alta em janeiro
Reprodução EBC

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), nesta quarta-feira, 26, divulgou o resultado da prévia da inflação de janeiro, que desacelerou em comparação a dezembro. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15) foi de 0,58% neste mês, enquanto, no mesmo período do ano passado foi de 0,78%.

No acumulado dos últimos 12 meses, o indicador também perdeu força e chegou a 10,2%. O resultado de hoje foi influenciado, principalmente, pelo grupo dos transportes, que teve deflação de 0,41%, puxada pela queda no preço da gasolina (-1,78%) e passagens aéreas (-18,21%). O etanol e gás veicular também tiveram variações negativas.

8 grupos apresentaram alta de preços

Com exceção dos transportes, todos os outros oito grupos apresentaram alta em janeiro. O setor do vestuário foi o que teve o meio aumento, 1,48%, seguido dos artigos de residência, 1,4%, e comunicação, 1,09%.

No grupo da alimentação e bebidas (0,97%), os maiores impactos vêm da cebola (17,09%), frutas (7,10%), café moído (6,50%) e carnes (1,15%). A batata-inglesa (-9,20%), arroz (-2,99%) e leite longa vida (-1,70%) apresentam queda desde dezembro.

Produtos mais caros em todas as capitais

Segundo o IPCA-15, todas as capitais pesquisadas tiveram alta nos preços. O menor resultado foi em Brasília (0,19%), enquanto a região metropolitana de Salvador (1,08%) mostrou-se com o a maior variação, influenciada por itens de higiene pessoal (4,57%) e frutas (9,9%).

Entenda o cálculo

A coleta de preços pelo IPCA-15 aconteceu entre 14 de dezembro e 13 de janeiro. O indicador leva em conta família com rendimento de 1 a 40 salários mínimos e leva em conta 11 regiões metropolitanas. A prévia da inflação é medida com base na metade do mês anterior e metade do mês seguinte.