Jornal da Band

Bolívia vira "esconderijo perfeito" para traficantes brasileiros

Lá, eles contam com a proteção de agentes públicos corruptos para trabalhar livremente próximo aos produtores da cocaína

Da Redação, com Jornal da Band 26/03/2021 • 22:47

Um dos maiores produtores de cocaína do mundo, a Bolívia se tornou o esconderijo perfeito para os traficantes mais procurados do Brasil. Entenda o motivo na reportagem de Rodrigo Hidalgo no Jornal da Band

A cadeia de produção da droga mais lucrativa do mundo começa nas plantações de coca na América do Sul. Na Bolívia, terceiro maior produtor de cocaína do planeta, a planta é tratada com químicos e refinada até virar o pó branco que chega a ser vendido 35 mil euros o quilo na Europa. 

Mas entre as plantações e o mercado do outro lado do oceano, há um longo caminho que passa pela entrada ilegal da droga no Brasil, o transporte até os portos e o tráfico de navio. Um negócio milionário que depende de muita corrupção para funcionar. Estima-se que, para cada carga apreendida, outras nove cheguem ao seu destino. 

Pela localização geográfica, o Brasil é o maior cento distribuidor de cocaína para a Europa. Mas investigações apontam que grandes traficantes brasileiros estão se aproveitando dessa corrupção para se esconder no país vizinho. 

Quem investiga a ação do crime organizado tem informações de que os principais criminosos do PCC foragidos no Brasil vivem agora na Bolívia. Lá, eles contam com a proteção de agentes públicos corruptos para trabalhar livremente próximo aos produtores da cocaína e organizar o tráfico da droga até seu destino final. 

"O crime organizado tem escolhidos a Bolívia pra se esconder não só por lá ser um produtor da cocaína, mas por eles contarem lá também, infelizmente, com a corrupção de agentes públicos, inclusive de militares. Eu soube que alguns desses foragidos, possivelmente, o André do Rap também esteja lá, com proteção militar dentro da Bolívia. Isso é um fator que dificulta muito o nosso trabalho” relatou o promotor Lincoln Gakiya. 

Apesar das dificuldades, as autoridades daqui trabalham em conjunto com a corregedoria boliviana para localizar e prender integrantes do crime organizado.  Um dos exemplos dessa colaboração foi a prisão, em 2019, de Pedro Montenegro Paz, o “Gordito”, um dos chefões do tráfico no país vizinho. Ele tem ligações com o PCC, a máfia italiana e um cartel mexicano e é apontado como o responsável pelo envio de toneladas de cocaína para a Europa.  

“Gordito” agora aguarda julgamento por vários crimes em uma penitenciária federal no Brasil.