Jornal da Band

Milícia usava criptomoedas para lavagem de dinheiro de construções irregulares no Rio

Operação "Blood Money", da Polícia Civil, prendeu 15 pessoas que atuavam na Muzema e Rio das Pedras

Amanda Martins, do Jornal da Band 23/09/2021 • 21:06 - Atualizado em 23/09/2021 • 21:07

A milícia está usando criptomoedas para lavar dinheiro de atividades como a construção e a venda de imóveis ilegais no Rio de Janeiro.

Durante a operação na manhã desta quinta-feira (23), os policiais encontraram contratos de investimentos de cerca de RS 2 milhões em bitcoins. Eles estavam na casa do empresário Luiz Carlos dos Reis Príncipe. Ele é apontado como o responsável pela lavagem de dinheiro da milícia que atua na Muzema e em Rio das Pedras, na zona oeste do Rio.  

A ação foi batizada de Blood Money (dinheiro sangrento, em português). Em um ano, o valor chegou a cerca de R$ 8,5 milhões. No total, 15 pessoas acabaram presas.

Foram cumpridos 63 mandados de busca e apreensão, inclusive em oito empresas que seriam usadas pelo grupo na lavagem de dinheiro.

Relatórios de inteligência financeira apontaram que os sócios das companhias eram laranjas e os donos, na verdade, eram integrantes do grupo paramilitar.

Entre os presos, está o casal Cintia Bernardo da Silva e Rafael Gomes da Costa, também investigados no inquérito que apura o desabamento de dois prédios na Muzema, que causou a morte de 24 pessoas em 2019. Os dois são donos da empresa que construiu um dos edifícios.

  • milícia
  • rio de janeiro