Jornal da Band

Prestadoras de pequeno porte crescem no Brasil e oferecem serviço mais barato

Empresas cresceram 65% durante a pandemia e hoje oferecem serviço mais barato e com boa qualidade

Márcio Campos 17/01/2022 • 20:02 - Atualizado em 17/01/2022 • 21:48

Ficar sem internet não é uma opção, principalmente para quem faz home office ou possui um escritório. Por mais de 10 anos, o serviço era realizado pelas principais operadoras do mercado.

Mas durante os últimos meses, Renne Vedrossi que é corretor de imoveis, procurou outras alternativas e encontrou. Agora, além de economizar R$ 70 por mês, tem mais velocidade com qualidade maior.

“A qualidade do serviço e o atendimento são diferenciais muito importantes para a minha aquisição. Ao invés de falar com um robô, eu consigo falar de fato com alguém que escuta o meu problema”, afirmou.

Agora, a empresa que vende internet para o Renê é uma PPP, prestadora de pequeno porte. Elas têm menos de 5% de todo o mercado, mas durante a pandemia cresceram 65%.

Criada há 20 anos, a empresa de Alexsandro Braz está entre as mais de 90% do setor que tem menos de 5 mil clientes. Além de Campinas, ela atende também Mogi-Mirim e Mogi-Guaçu, cidades do interior de São Paulo. E tudo com fibra ótica própria.

“A função da PPP, em lugares que as grandes operadoras não tem interesse econômico, ela leva inclusão digital. E nos lugares em que as grandes estão, ela leva competitividade, fazendo com que o preço caia e melhore a qualidade”, explicou o empresário.