Jornal da Band

Lava de vulcão das Ilhas Canárias pode ajudar pesquisadores a estudar o interior da Terra

Erupção do Cumbre Vieja, que dura quase um mês, já destruiu mais de dois mil imóveis

Beatriz Côrrea, do Jornal da Band 16/10/2021 • 19:56 - Atualizado em 16/10/2021 • 20:50

 

No 27º dia de erupção, o cheiro de enxofre ficou mais forte na ilha de La Palma. A qualidade do ar piorou com a maior concentração de cinzas no ar e todos os 34 voos previstos para este sábado foram cancelados.

A abertura de uma nova cratera na noite de sexta-feira, 15, aumentou o lançamento de gases e material piroclástico na atmosfera. Já a lava continua avançando lentamente: 400 metros a cada hora.

Neste sábado, ela engoliu o campo de futebol do Clube Desportivo Argual, fundado em 1952. Desde o início da erupção, quase dois mil imóveis foram destruídos. Plantações também foram arrasadas, principalmente cultivos de banana.

“Muita gente pergunta: ‘Se ali tem um vulcanismo ativo, porque as pessoas moram ali, né?’ A primeira coisa é que o momento do vulcanismo é devastador, mas pouco tempo depois ele gera uma terra muito fértil”, explica Letícia Freitas Guimarães.

“Então, toda essa combinação de elementos, principalmente ali os alcalinos, potássio e sódio, cálcio, tudo isso gera uma terra muito fértil. Isso é excelente para agricultura, por exemplo”, completa  a vulcanóloga.

O calor que emana do solo dificulta o uso de helicópteros, porque pode danificar os rotores. Por isso, pesquisadores têm usado drones para chegar perto dos rios de lava. Onde o material já esfriou, eles recolhem amostras do solo.

A erupção levou vulcanólogos do mundo todo à ilha de La Palma, nas Canárias, arquipélago espanhol na costa da África. É o caso do professor da Universidade de Oslo, na Noruega, que escreveu um livro sobre vulcões e viajou assim que começou a erupção.

A vulcanóloga Letícia Freitas Guimarães explica que o vulcão Cumbre Vieja oferece uma oportunidade única para entender o passado e o futuro da Terra. “A dinâmica da Terra é uma dinâmica muito complexa. não entendemos ainda completamente a estrutura interna da Terra, então quando a gente tem esse tipo de lava, esse tipo de vulcanismo, ele é uma oportunidade”, conta.

"Como ele não é muito violento, a gente vê as equipes de vulcanologia trabalhando 24 horas por dia. E se você ver, eles soltam boletins, mais de um boletim, por dia”, completa.