Notícias

Latam nega maus-tratos a cachorro que morreu após voo entre São Paulo e Rio de Janeiro

A dona do animal relatou nas redes sociais que o filhote chegou ao Rio de Janeiro debilitado e sem forças para se manter em pé

Francini Augusto, da BandNews FM 21/09/2021 • 13:49 - Atualizado em 21/09/2021 • 13:55
Latam nega maus-tratos a cachorro que morreu após voo entre São Paulo e Rio de Janeiro
Latam nega maus-tratos a cachorro que morreu após voo entre São Paulo e Rio de Janeiro
Reprodução/Redes Sociais

A companhia aérea Latam nega que o cachorro que morreu após um voo entre São Paulo e Rio de Janeiro tenha sido vítima de maus-tratos. 

A dona do animal, a estudante Gabriela Duque Rasseli, relatou nas redes sociais que ao contrário de quando embarcou, o filhote da raça Golden chegou ao Rio de Janeiro debilitado e sem forças para se manter em pé. O episódio aconteceu na semana passada (14).

Entre os questionamentos de Gabriela foi a demora na entrega de Zyon que chegou no aeroporto internacional por volta de 13h50 e foi entregue, segundo ela, às 15h30. Uma representação foi encaminhada ao Ministério Público de São Paulo para que a morte do animal seja investigada.

A veterinária e colunista da BandNews FM, Érica Araujo, destaca a importância dos cuidados com os animais durante o transporte.

A Latam afirma que desde o embarque no Aeroporto Internacional de Guarulhos (SP), o pet foi acompanhado de acordo com os protocolos de segurança, em ambiente refrigerado e sendo hidratado ao longo do trajeto.

Ainda segundo a empresa, logo após o pouso, ainda dentro da caixa de transporte, a equipe do Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro identificou que o animal tinha sinais de mal-estar. De acordo com a Latam, o cão não foi exposto ao sol ou passou calor.

Nota Latam

Nós da LATAM nos sensibilizamos muito com o que aconteceu e estamos em contato com a cliente Gabriela desde o desembarque do animal, prestando toda assistência necessária até o momento presente.

A empresa esclarece ainda que seguiu todos os procedimentos de aceitação e transporte do pet que atendem rigorosamente aos regulamentos de autoridades nacionais e internacionais.

Desde o embarque no Aeroporto Internacional de Guarulhos (SP), o pet foi acompanhado de acordo com os mais rígidos protocolos de segurança, aguardando em ambiente refrigerado até a entrada na aeronave e permanecendo hidratado ao longo do trajeto.

Logo após o pouso, ainda dentro do kennel (caixa de transporte), a nossa equipe do Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro (Galeão) identificou que o animal encontrava-se com sinais de mal-estar e, imediatamente, atuou para que ele fosse transportado a uma clínica veterinária em uma van dedicada e em tempo mais rápido do que o padrão para esta operação. Vale ressaltar que, da pista do aeroporto até o terminal de cargas, são 7,5 km e o trajeto deve ser percorrido em até 20 km/h.

Reforçamos que o pet não foi exposto ao sol ou passou calor e, que, nossa equipe esteve junto dele e de sua tutora durante todo o atendimento, e se manteve disponível via telefone inclusive após a internação do pet.

Esclarecemos que a LATAM obedece às mais restritas normas de segurança para transportes de pets, seguindo procedimentos baseados no Regulamento de Animais Vivos da IATA e tendo protocolos ainda mais rígidos que a portaria 93 do IBAMA, garantindo uma execução segura em todas as etapas do processo de transporte. Salientamos ainda que a operação ocorreu respeitando os intervalos de tempo seguros desde a entrega do pet à equipe da LATAM, inclusive após o desembarque.

A companhia reitera que a segurança é um valor inegociável, reforçando que se solidariza com a tristeza vivida pela cliente e que fará tudo que está ao seu alcance para oferecer a assistência necessária neste momento. A LATAM permanece em contato com a Gabriela, que sinaliza compreensão quanto ao posicionamento e procedimentos adotados pela companhia.