Notícias

Manifestação pede justiça por homem morto em "câmara de gás" da PRF

Agentes da PRF trancaram Genivaldo de Jesus Santos no porta-malas de uma viatura e a vítima morreu asfixiada

Narley Resende 26/05/2022 • 10:23 - Atualizado em 26/05/2022 • 11:46

Moradores da região de Umbaúba, no Litoral Sul de Sergipe, interditaram um trecho da BR-101 na manhã desta quinta-feira (26) para pedir justiça por Genivaldo de Jesus Santos. O homem de 38 anos morreu depois que agentes da Polícia Rodoviária Federal (PRF) fizeram uma “câmara de gás” em uma viatura e o trancaram dentro, na quarta-feira (25). A vítima teria esquizofrenia e estava com cartelas de remédios nos bolsos. 

O Instituto Médico-Legal (IML) informou que análise preliminar aponta que o homem morreu por asfixia. “Vítima teve como causa mortis insuficiência aguda secundária a asfixia”, diz, em nota.

Imagens obtidas pela imprensa local mostram os manifestantes queimando pneus para impedir o fluxo de veículos nos dois sentidos da BR-101. 

A seccional Sergipe da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-SE) cobrou celeridade nas investigações.

O corpo de Genivaldo deve ser enterrado nesta quinta-feira no Cemitério Municipal de Umbaúba.

Imagens

Imagens gravadas por pessoas que assistiram à ação da PRF na quarta, no fim da tarde, foram compartilhadas em redes sociais e mostram a vítima sendo algemada no chão e colocada pelos agentes no porta-malas da viatura. De dentro do carro sai fumaça. 

Testemunhas contaram que os agentes jogaram uma bomba de gás de pimenta dentro do veículo no intuito de conter o homem, que estava em surto. 

Vídeo: homem morre em porta-malas da PRF

Genivaldo chegou a ser socorrido, segundo a PRF. Ele teve a morte confirmada pelo hospital de Umbaúba. A corporação afirmou em nota que abriu um procedimento disciplinar para averiguar a conduta dos policiais envolvidos.

O texto afirma que “técnicas de imobilização e instrumentos de menor potencial ofensivo” foram empregados para conter Santos que, segundo a PRF, estava agressivo.

Esposa

O corpo de Genivaldo é velado na manhã desta quinta-feira (26) no povoado Mangabeira, em Santa Luzia do Itanhy, na casa da mãe dele. 

Emocionada, a esposa, Maria Fabiana dos Santos, disse em entrevista à Rádio BandNews FM que o marido “nunca fez mal a ninguém”. Ele era pai de um filho de 7 anos.  

Sempre fez questão do tratamento dele. Sempre fez questão de ir ao médico, de tomar a medicação certinha. Nunca teve problema, tinha uma vida normal. Era uma boa pessoa. Um bom marido, um bom pai, um bom amigo. Nunca fez mal a ninguém. 

Remédios

A vítima teria sido abordada pelos agentes quando pilotava uma motocicleta. As pessoas que viram a abordagem disseram que ele portava cartelas de remédios e que os agentes foram informados de que se tratava de um homem com transtorno mental. 

Os policiais ignoraram os apelos das pessoas que diziam que Genivaldo iria morrer se fosse mantido na “câmara de gás”. 

Antes de ter as pernas amarradas e de ter sido colocado no porta-malas, o homem foi alvo de spray de pimenta. 

A Polícia Civil de Sergipe afirmou que investiga o caso, colhendo depoimento dos envolvidos. A família registrou um Boletim de Ocorrência.

Vídeo: testemunhas registram abordagem

Nota do IML

"O Instituto Médico Legal (IML) informa que o corpo de Genivaldo de Jesus Santos deu entrada às 18h20 desta quarta-feira (25), tendo início o processo de identificação por meio da papiloscopia e em seguida encaminhado para o exame de necrópsia.

O IML detalha que foi realizada a necrópsia médico forense, sendo coletado o material de amostras biológicas de sangue, tecidos de alguns órgãos. O material foi encaminhado ao Instituto de Análises e Pesquisas Forenses (IAPF) para elucidar a causa imediata da morte.

Foi identificado de forma preliminar que a vítima teve como causa mortis insuficiência aguda secundária a asfixia.

A asfixia mecânica é quando ocorre alguma obstrução ao fluxo de ar entre o meio externo e os pulmões. Essa obstrução pode se dar através de diversos fatores fatores e nesse primeiro momento não foi possível estabelecer a causa imediata da asfixia, nem como ela ocorreu.

O IML identificou preliminarmente que os sinais e os vestígios presentes indicam de fato a asfixia. Os exames complementares vão ajudar o perito a chegar em uma conclusão de como se deu o processo de asfixia.

Após a conclusão dos trabalhos, os laudos serão remetidos à delegacia de Polícia Federal."