Notícias

Pesquisadora da Fiocruz: "inaceitável não aproveitar vacina por questão logística"

Da Redação, com Rádio Bandeirantes 12/12/2020 • 09:15 - Atualizado em 12/12/2020 • 14:00
Vacina da Pfizer começou a ser aplicada em outros países; temperatura seria desafio no Brasil
Vacina da Pfizer começou a ser aplicada em outros países; temperatura seria desafio no Brasil
Freepik

A pesquisadora da Fiocruz, Margareth Dalcolmo, disse não ser “aceitável que nós deixemos de aproveitar uma vacina que já está aprovada em caráter emergencial, como a vacina do laboratório Pfizer, por questões de logística”.

Segundo contou a pneumologista em entrevista à Rádio Bandeirantes neste sábado (12), diversos empresários do setor privado já a procuraram pessoalmente para oferecer a doação de freezers com capacidade refrigeradora de armazenar o imunizante (cerca de 70 graus Celsius negativos).

A pneumologista explicou ainda que a Anvisa tem condições de analisar as vacinas com rapidez e apenas o aval de órgãos de outros países, como o FDA norte-americano, não basta para que a liberação ocorra no Brasil.
Vacina da Pfizer

A vacina da Pfizer/BioNtech já está sendo aplicada na população britânica desde o início da semana. Na noite de sexta-feira, os Estados Unidos também aprovaram seu uso emergencial. Canadá, Bahrein e México completam o grupo de países que já autorizaram o imunizante.

No Brasil, a negociação com a farmacêutica norte-americana se estendeu pelas últimas semanas. Na última sexta, o governo assinou a intenção de compra de 70 milhões de doses. 

À BandNews FM, o laboratório norte-americano afirmou na última quinta que, por causa da demora nas tratativas, não existem vacinas disponíveis para entrega imediata neste ano.

Saiba mais:

  • pfizer
  • vacinação
  • coronavírus
  • brasil