Notícias

Pessoas poderão escolher fabricante de vacina em repescagem de 1ª dose no Rio

Medida vale para pessoas acima de 18 anos que forem aos postos. Secretaria de Saúde garante estoque de todos os imunizantes

Ryan Lobo, da BandNews FM Rio, com Band Notícias 24/09/2021 • 22:25 - Atualizado em 24/09/2021 • 22:48

As pessoas com mais de 18 anos que forem aos postos de vacinação para receber a primeira dose da vacina contra a Covid-19 neste sábado (25), na repescagem, vão poder escolher o imunizante que será aplicado. Essa é a primeira vez que a capital fluminense dá a alternativa de escolha do fabricante.

Segundo o secretário municipal de Saúde do Rio, Daniel Soranz, a escolha do imunizante vai ser possível porque, pela primeira vez, o Rio tem doses estocadas da CoronaVac, Pfizer e AstraZeneca.

Já os adolescentes de 12 a 17 anos só podem receber a Pfizer, único imunizante autorizado pela Anvisa para esta faixa etária.

Neste sábado (24), a campanha de "megavacinação" da Prefeitura do Rio contempla todas as pessoas com 12 anos ou mais, que ainda não tomaram a primeira dose.

A decisão foi tomada depois de a cidade imunizar 99,8% dos adultos ao menos com a primeira dose da vacina contra Covid-19.

Durante a divulgação do 38º Boletim Epidemiológico da Covid-19, o secretário Daniel Soranz também afirmou que o Rio vive o melhor momento desde o início da pandemia, com queda nos índices de mortes, casos confirmados e internações. Ele diz que as reduções são fruto do avanço da vacinação na cidade.

Mais de 99% da população adulta do Rio já foi vacinada com a primeira dose. Já a taxa de imunização com a primeira aplicação do público total é de 82%. Nesta sexta-feira (24), jovens de 12 anos começaram a ser vacinados.

A Secretaria Municipal de Saúde disse que aguarda um posicionamento do Ministério da Saúde e da Anvisa, para saber se será necessário imunizar novamente as 1.206 pessoas que tomaram a primeira dose da CoronaVac, pertencentes ao lote suspenso pela Anvisa por ter sido envasado em fábricas não certificadas.

Durante a coletiva de imprensa desta sexta-feira (24), a Prefeitura do Rio disse que está investiga o caso de uma jovem puérpera de 17 anos que foi imunizada com dose da CoronaVac, o que não é autorizado pela Anvisa, já que ela é adolescente. A jovem, segundo a Prefeitura, não sofreu efeitos colaterais.

Na coletiva, o Município também divulgou que 131 pessoas, entre torcedores e trabalhadores, foram impedidos de acessar os estádios de futebol nos jogos do Vasco e do Flamengo que contaram com a presença e público.

  • Vacina
  • Covid-19
  • Brasil