Notícias

Polícia encontra sangue em barco de suspeito de desaparecimento no AM

Material foi enviado para Manaus, onde será realizada uma análise

Cleber Souza 09/06/2022 • 18:29 - Atualizado em 09/06/2022 • 18:32
Cinco pessoas foram ouvidas nas investigações
Cinco pessoas foram ouvidas nas investigações
Fotos: Reprodução

Nesta quinta-feira (9), a Polícia Federal encontrou vestígios de sangue no barco de Amarildo da Costa de Oliveira, 41, suspeito de envolvimento pelo desaparecimento do jornalista inglês Dom Phillips e do indigenista Bruno Araújo Pereira, no Amazônia.  

Segundo a PF, o material foi enviado para Manaus, onde será realizada uma análise. Conhecido como "Pelado", Amarildo foi preso na comunidade São Gabriel, no Amazonas, por porte ilegal de munição de uso restrito. 

Segundo a polícia, testemunhas viram o barco do suspeito seguir na direção da embarcação do indigenista Bruno Pereira e do jornalista Dom Phillips, em um intervalo de dez minutos, nas proximidades da Comunidade da Cachoeira.

Ele é apontado por líderes indígenas como a pessoa que ameaçou os desaparecidos e, inclusive, feito disparos de arma de fogo contra integrantes da União dos Povos Indígenas do Vale do Javari (Univaja).  

O desaparecimento

 As buscas por Phillips e Bruno entraram no 5º dia e contam com o apoio da Marinha, do Exército, da Força Nacional e das forças de segurança do Amazonas.

O servidor de carreira da Fundação Nacional do Índio (Funai) e o colaborador do Jornal The Guardian desapareceram no Vale do Javari, na Amazônia. Eles foram vistos pela última vez na tarde do domingo (5), segundo nota divulgada pela Univaja.

Bruno é indigenista especializado em povos indígenas isolados e conhecedor da região, onde foi coordenador regional por cinco anos. Já Dom Phillips é veterano de cobertura internacional e mora no Brasil há mais de 15 anos.

Segundo lideranças indígenas, o jornalista e o ativista estariam recebendo ameaças de garimpeiros que atuam de forma ilegal na região.