Notícias

Postos não precisam ter todas as vacinas para 2ª dose, diz secretário de SP

Edson Aparecido foi questionado na Rádio Bandeirantes sobre a falta de imunizantes em algumas unidades

da Redação com Rádio Bandeirantes 30/07/2021 • 15:10 - Atualizado em 30/07/2021 • 19:15
Vacina contra covid-19
Vacina contra covid-19
Governo do Estado de São Paulo

Questionado sobre as reclamações envolvendo falta de vacinas contra covid-19 para segunda dose em São Paulo, o secretário municipal de Saúde, Edson Aparecido, disse que ocorreu um “problema pontual” na quinta-feira (29) e que os postos já foram reabastecidos nesta sexta (30). Além disso, afirmou que as unidades de saúde da capital não precisam ter todos os imunizantes – Oxford/AstraZeneca, Pfizer, CoronaVac e Janssen – disponíveis ao mesmo tempo.  

“Tivemos pontualmente no dia de ontem uma falta de doses da AstraZeneca em algumas unidades, mas hoje pela manhã recebemos mais de 268 mil doses que foram distribuídas assim que chegaram”, explicou o secretário.  

“Precisamos entender que segunda dose é diferente de primeira. Quando recebemos vacinas de primeira dose para determinada faixa etária, recebemos para o contingente inteiro da faixa. Com a segunda é diferente. As pessoas tomam em períodos diferentes, recebemos quantidades menores que vão sendo colocadas à disposição. Quando falta, remanejamos de unidades próximas”, completou.

Segundo Aparecido, para evitar se deparar com a falta da vacina que precisa tomar como segunda dose, a pessoa deve, a partir de hoje, entrar antes de sair de casa no site De Olho na Vila e consultar em quais postos ela está disponível. A ideia é evitar a “peregrinação”. 

“Hoje a faixa etária que entra em segunda dose não é da AstraZeneca, por exemplo. É Pfizer. Na semana toda que vem, as faixas que devem ter segunda dose também serão 90% da Pfizer. Não precisamos necessariamente ter todos os postos abastecidos com AstraZeneca. É isso que temos que olhar. Não é que todo posto tem que ter as três vacinas de segunda dose ao mesmo tempo. Não é assim”, concluiu.

  • covid-19
  • coronavírus
  • São Paulo
  • vacinas