Notícias

Rui Costa diz que aceitará ajuda da Argentina, apesar da recusa de Bolsonaro

País vizinho ofereceu apoio para enfrentar consequências das enchentes, mas o governo federal recusou

Da Redação 30/12/2021 • 15:38 - Atualizado em 30/12/2021 • 15:42
Rui Costa, governador do estado da Bahia
Rui Costa, governador do estado da Bahia
Reprodução

O governador da Bahia, Rui Costa (PT), disse que aceitará a ajuda da Argentina para enfrentar as consequências das enchentes no estado. O governo federal tinha recusado o apoio um dia antes.

Rui Costa anunciou a decisão nas redes sociais e até fez um apelo para qualquer país que possa ajudar os baianos.

"A Argentina ofereceu ajuda humanitária às cidades afetadas pelas chuvas na Bahia, apesar da negativa do Governo Federal. Me dirijo a todos os países do mundo: a Bahia aceitará diretamente, sem precisar passar pela diplomacia brasileira, qualquer tipo de ajuda neste momento. Os baianos e brasileiros que moram aqui no estado precisam de todo tipo de ajuda. Estamos trabalhando muito, incansavelmente, para reconstruir as cidades e as casas destruídas, mas a soma de esforços acelera este processo, portanto é muito bem-vinda qualquer ajuda neste momento".

O apoio oferecido pela Argentina é o envio imediato de 10 profissionais especializados nas áreas de água, saneamento, logística e apoio psicossocial para vítimas de desastres.  

Desde o começo da semana, Bolsonaro está de férias em Santa Catarina. Nesta quinta ele visitou o parque de diversões Beto Carrero.

Recentemente ministros estiveram na Bahia e anunciaram um repasse de R$ 200 milhões para a reconstrução de estradas. Mas o valor não será destinado integralmente ao estado da Bahia e será repartido com outras unidades da federação, que também registraram problemas.

O volume de chuvas no sul da Bahia é o maior dos últimos 32 anos, segundo a Defesa Civil. Até esta quarta-feira (29) foram confirmadas as mortes de 24 pessoas, sendo que mais de 400 ficaram feridas. Ao todo, 141 cidades relataram estragos pelas chuvas e 136 municípios declaram emergência. O total de baianos atingidos passa de 600 mil.