Notícias

Quatro secretários do Ministério da Economia pedem demissão

Anúncio veio após governo defender manobra que altera o teto de gastos para financiar o Auxílio Brasil

Da Redação, com Brasil Urgente e Jornal da Band 21/10/2021 • 18:22 - Atualizado em 21/10/2021 • 22:44

Quatro secretários do Ministério da Economia pediram demissão nesta quinta-feira (21). O anúncio veio depois que o governo passou a defender uma manobra que altera o teto de gastos para financiar o Auxílio Brasil, substituto do Bolsa Família.

Pediram exoneração o secretário especial do Tesouro e Orçamento, Bruno Funchal; o secretário do Tesouro Nacional, Jeferson Bittencourt; a secretária especial adjunta do Tesouro e Orçamento, Gildenora Dantas, e o secretário-adjunto do Tesouro Nacional, Rafael Araujo. O anúncio foi feito pelo Ministério da Economia por meio de comunicado. 

Ambos pediram exoneração diretamente ao ministro Paulo Guedes. “A decisão de ambos é de ordem pessoal. Funchal e Bittencourt agradecem ao ministro pela oportunidade de terem contribuído para avanços institucionais importantes e para o processo de consolidação fiscal do país”, disse comunicado da pasta.

Ainda segundo o Ministério, eles irão ajudar na transição dos novos nomes, que ainda não foram confirmados.

A saída da equipe é um reflexo da crise entre as alas política e econômica em torno do “novo Bolsa Família”. O governo quer alterar o teto de gastos para abrir espaço no orçamento e garantir o pagamento de parcelas de R$ 400 no Auxílio Brasil, já a partir de novembro.

Mas a possibilidade de uma "licença" para gastar, admitida pelo ministro Paulo Guedes, provocou mais um dia ruim no mercado financeiro. A Bolsa de Valores registrou queda de 2,75% (a pior desde 23 de novembro de 2020) e a cotação do dólar subiu para R$ 5,66.

Vídeo: Roma diz que "governo busca soluções"

"Com isso, estamos fazendo um exercício para que dentro do orçamento se encontre espaços para que possa fazer não apenas o fortalecimento e incremento do programa permanente, como um benefício transitório, que vai até dezembro do próximo ano. Que nessa saída da pandemia nenhum beneficiário receba menos de R$ 400”, completou.

Ainda não há data definida para as propostas serem votadas no Senado e na Câmara. O novo programa social que vai substituir o Bolsa Família terá um reajuste de 20% em relação aos valores pagos atualmente. São necessários R$ 85 bilhões para pagar as parcelas no valor de R$ 400.