Após 3 meses sem marcar sabatina para o STF, Alcolumbre diz não aceitar ameaças

Gleice Prado, da redação 14/10/2021 • 08:50 - Atualizado em 14/10/2021 • 09:56
Alcolumbre diz que não aceitará ameaças
Alcolumbre diz que não aceitará ameaças
Amanda Perobelli/Reuters

O presidente da Comissão de Constituição e Justiça do Senado, Davi Alcolumbre, disse que não vai aceitar ser ameaçado para marcar a sabatina de André Mendonça.

Indicado por Jair Bolsonaro, o ex-advogado-geral da União aguarda há três meses a análise dos senadores para ocupar a vaga deixada por Marco Aurélio Mello no STF.

Ontem, Alcolumbre divulgou uma nota pública em que diz estar sofrendo agressões de toda ordem pela demora em marcar uma data para a sabatina.

No comunicado, ele destaca que a prioridade agora é lidar com temas econômicos como a geração de empregos e a busca de saídas para a inflação.

Em um evento em Miracatu, cidade natal de André Mendonça, o presidente Jair Bolsonaro voltou a defender a indicação dele para o STF.

O vice-presidente Hamilton Mourão também criticou a postura do presidente da CCJ, Davi Alcolumbre:

Para o cientista político, Fernando Schüler, a marcação da sabatina de André Mendonça é uma questão de bom senso.

O colunista da Rádio Bandeirantes ressalta que o tema não deve ser influenciado por interesses políticos.

  • stf
  • alcolumbre
  • andré mendonça
  • sabatina
  • supremo tribunal federal